Grupo Vieira da Cunha
Parcialmente nublado

Tempo hoje

Min 17 / Max 26 +mais
Edição Impressa

(Des)governo Sartori extorque 18,14% dos salários dos servidores públicos gaúchos

Conteúdo enviado por Henrique Hettwer
Depreciação do salário do servidor público gaúcho
(Des)governo Sartori extorque 18,14% dos salários dos servidores públicos gaúchos


O serviço público do Rio Grande do Sul é a principal vítima da política de desaparelhamento do estado orquestrada pelo peemedebista Sartori. A realidade é caótica: presos enjaulados em viaturas ou até amarrados em postes; crescimento da violência; ação de bandidos em cidades sem nenhum policial; ausência de uma política de segurança pública; perda de competitividade industrial; submissão ao capital estrangeiro na monocultura agrícola; extinção de fundações científicas; sonegação crescente de impostos de barões; incentivos e isenções a alguns empresários; esfolamento tributário dos mais pobres. O Rio Grande do Sul é mais uma ilustração da caricatura neoliberal que se edifica nos últimos anos no país, com ameaças ainda maiores nos próximos capítulos de nossa história.

Os servidores públicos têm sofrido drasticamente esta realidade macabra. Além de salários parcelados, de parcelamento do 13º salário, o governador arrocha os já extraordinariamente aviltados ganhos dos trabalhadores concursados gaúchos, sem repor um centavo da inflação do período em que está acomodado na cadeira governamental.

Para demonstrar essa dura realidade, temos o salário-base de um professor de 20 horas semanais. No período de janeiro de 2015 a junho de 2017, o avanço inflacionário baseado no IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), medido pelo IBGE, foi de 10,6735% em 2015, 6,29% em 2016 e 1,18% de janeiro a junho de 2017. Assim, o salário base do educador em janeiro de 2015, de R$ 1.165,69, não reajustado, sofreu perdas de 18,1435% no período. Ou seja, os parcos R$ 1.165,69 no início do (des)governo Sartori valem, em junho de 2017, R$ 964,36. Sartori produz uma perda de R$ 201,33 ao caso exemplificado, que é acumulativo, mês a mês, universal, sangrando os trabalhadores e precarizando ainda mais o serviço público gaúcho, já em frangalhos...

Henrique Hettwer – Geógrafo e Professor das redes públicas estadual e municipal do RS

  • amigo

É preciso estar logado para deixar o seu comentário. Clique aqui para fazer seu login.

Comentários (0)

  • Nenhum comentário para o conteúdo.

Vc Repórter

Mais notícias em VC Repórter

ir para a capa de vc repórter

Galeria de imagens VC Repórter

Conteúdos VC Repórter

grupo Vieira da Cunha