Grupo Vieira da Cunha
Trovoadas esparsas

Tempo hoje

Min 20 / Max 30 +mais
Notícias > Geral > Fim da polêmica 16/04/2018 - 16h03 por Vinícius Severo

Pedras históricas da Moron não serão asfaltadas

Prefeitura diz que passagem dos veículos será por bifurcação lateral e que asfalto, se vier, será a partir do trecho posterior ao sítio histórico

Campanha: imagem nas redes sociais pede preservação das pedras históricas Campanha: imagem nas redes sociais pede preservação das pedras históricas

A Prefeitura de Cachoeira do Sul não vai precisar colocar asfalto sobre as pedras históricas do velho porto no início da Rua Moron. A garantia foi dada nesta segunda-feira pelo secretário municipal de Governo e Planejamento, Luciano Lara.

Conforme ele, caso a Prefeitura ganhe mesmo do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes o asfalto, o acesso dos veículos deverá ser preparado em uma bifurcação lateral ao lado daquela rua, na entrada do rio.

“Ali que deve ficar o atracadouro, é um ponto onde os veranistas costumam se concentrar para andar de jet ski no Rio Jacuí”, comentou o secretário Lara. Assim, a camada de asfalto a ser colocada seria após o trecho de cerca de 20 metros preenchido com pedras dos idos de 1800.

Publicidade




CAMPANHA VIRTUAL

Já nesta segunda-feira, uma imagem começou a circular nas redes sociais pedindo a preservação do sítio histórico do porto velho. Ainda na sexta-feira, o Compahc havia alertado ao prefeito sobre o valor histórico das pedras, embora aquele espaço não seja tombado pelo Município como patrimônio.

Vídeo mostra acesso lateral para atracar a balsa no Rio Jacuí Vídeo mostra acesso lateral para atracar a balsa no Rio Jacuí

  • amigo

É preciso estar logado para deixar o seu comentário. Clique aqui para fazer seu login.

Comentários (1)

  • Paulo Sérgio Pereira
    Paulo Sérgio Pereira (Porto Alegre) em 16/04/18 17:34
    (*) Favor insistir, periga ter...

    uma solução construída com diálogo.
    "Até as pedras choram", agradecidas pela preservação de um trabalho histórico.

    (*) frase original nos balcões da lendária Casa Augusto Wilhelm.

JP no Facebook