Grupo Vieira da Cunha
Parcialmente nublado

Tempo hoje

Min 17 / Max 26 +mais
Edição Impressa
Notícias > Geral > ENSINO SUPERIOR DE QUALIDADE 12/09/2017 - 17h06 por CRISTIANO LIMA

Pedagogia da Ulbra/Cachoeira no rumo certo

Coordenação do curso atribui bons resultados nas avaliações externas ao comprometimento de professores e alunos

Silva: foco agora é o Enade Silva: foco agora é o Enade

O curso de Pedagogia da Ulbra/Cachoeira se classificou pela quinta vez consecutiva com cinco estrelas do ranking dos cursos de graduação feito pela Editora Abril, conforme notícia publicada pelo Jornal do Povo na semana passada.

Questionada sobre a receita de sucesso, a coordenadora do curso, Sílvia Maria Barreto dos Santos é modesta, creditando os bons resultados ao comprometimento de professores a alunos em manter a boa imagem da graduação em Pedagogia da Ulbra.

Sílvia, que é cachoeirense, comanda a Pedagogia da Ulbra desde 1997, quando o curso foi oficialmente criado. Ela destaca que, além das boas avaliações no ranking da Editora Abril, o curso também vem mantendo conceito elevado no Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade).

Segundo ela, as avaliações do Enade são consideradas em ciclos de três anos. Nos últimos dois ciclos (2009/2011 e 2012/2014) o curso de Pedagogia da Ulbra/Cachoeira teve avaliação cinco, que é o conceito máximo, e agora, no segundo semestre, está perto de repetir o conceito cinco no ciclo 2015/2017.

“Esperamos alcançar o terceiro conceito cinco consecutivo, nossa meta é tentar manter a boa avaliação nesse novo ciclo”, projeta a coordenadora.

PESQUISA E EXTENSÃO

Para subir do conceito quatro para cinco estrelas no ranking da Editora Abril a coordenadora do curso do graduação em Pedagogia da Ulbra sabe que será difícil.

Sílvia explica que, o curso exige apenas quatro horas em atividades de extensão acadêmica (ações da universidade junto à comunidade) e não desenvolve pesquisa acadêmica, quesitos que são levados em consideração na avaliação da Editora Abril.

“Nosso curso é todo no período noturno. 98% dos alunos trabalha, frequenta estágio remunerado ou é bolsista. Precisamos facilitar o ingresso de novos alunos”, observa.

Ela lembra que a crise econômica afeta praticamente todas as universidades particulares. “No futuro esta realidade pode mudar, mas hoje outras universidades de centros maiores, como PUC, Unisinos, La Salle, Uniritter entre outras, também enfrentam o mesmo problema. A crise é para todos”, compara a coordenadora.

  • amigo

É preciso estar logado para deixar o seu comentário. Clique aqui para fazer seu login.

Comentários (0)

  • Nenhum comentário para o conteúdo.

JP no Facebook