Grupo Vieira da Cunha

Encoberto

Tempo hoje

Min 17 / Max 24 +mais
04/04/2019 - 10h16

Dumbo

Tim Burton traz a magia do elefante voador de volta as telas

Que a Disney é a maior detentora de franquias do cinema não se discute. É de seu controle as marcas Star Wars, Marvel, Pixar e recentemente Fox. O que pouca gente lembra é que a empresa também desponta com outra franquia que tem como base... seus próprios desenhos. Hã tempos ele estão nas telas em "Live-Action", com atores humanos. Até agora já foram apresentadas pessoas de verdade interpretando "101 e 102 Dálmatas" (1996/2000) , "Alice no País das Maravilhas 1 e 2" (2010/2016), "Malévola" (2014), "Cinderela" (2015), "Mogli" (2016) e "A Bela e a Fera" (2017). Juntos, estes filmes arrecadaram US$ 5,81 bilhões mundialmente. Tem mais vindo por ai. Nos próximos meses serão lançados "Aladdin", "O Rei Leão" e "Mulan". No entanto, neste ano, quem teve a honra de abrir a temporada das "animações em carne e osso" foi o filme do elefantinho "Dumbo", com suas orelhas gigantes.

Um voo diferente
A nova história de Dumbo é levemente diferente do desenho. Nela o decadente Circo Medici, percorre os Estados Unidos com a apresentação de seus artistas. No período retratado, os animais ainda eram permitidos no picadeiro. Recém chegado da 1ª Guerra Mundial, Holt Farrier, um domador circense de cavalos, reencontra seus filhos na estação ferroviária com uma triste surpresa. Ele perdeu o braço durante os combates. Na América as coisas também não foram bem para família. A esposa morreu de gripe espanhola, deixando as crianças sozinhas até o retorno do artista.

A esperança que nasce
No circo, seu proprietário, Max Medici,informa a Holt que precisou vender seus cavalos para pagar as contas. Mas, nem tudo está perdido para os artistas. A esperança vem de uma elefanta, recém adquirida, que está prenha. O Mestre do Picadeiro acredita que o elefantinho bebê atrairá mais espectadores e irá tirar a empresa do buraco. No entanto, quando o pequeno elefante vem ao mundo, percebe-se que suas orelhas são enormes, desengonçadas e assustarão os visitantes.

Abrindo as orelhas
A solução é usar o bichinho junto com a trupe dos palhaços. Logo na primeira apresentação, Dumbo, como é batizado, é colocado em perigo. Isto faz sua mãe perder o controle e derrubar o barracão do picadeiro. Para fugir do local o pequeno elefante acaba batendo as orelhas e descobre que tem a incrível capacidade de voar. O dom do animal atrai a atenção da mídia, principalmente do milionário do entretenimento, V.A. Vandemere. Este convence Medici a ser seu sócio em um empreendimento parecido com a Disneylandia. Nele o elefante será a atração principal.

Publicidade




O céu é o limite
A família toda se muda para o novo parque, mas agora Dumbo vai ter que descobrir os segredos que o fizeram voar. Isto para ganhar dinheiro suficiente e comprar de volta a sua mãe. A elefanta teve de ser vendida, após os estragos feitos ao antigo circo. Para isto Dumbo terá a ajuda da família Holt, que lhe ensinará que, se você tem um objetivo, pode ir a qualquer lugar, até mesmo ao céu, batendo as orelhas.

Turbulências a frente
Dumbo é um filme de Tim Burton conhecido por obras como Batman (1989), A Fantástica Fábrica de Chocolate (2005) e O Lar das Crianças Peculiares(2018). Todos os filmes do diretor tem um ar sombrio. Isto diferencia imensamente o live action do desenho animado. Embora seja um diretor criativo, percebe-se que Burton teve dificuldade de transformar um conto infantil em uma história que atraia minimamente os adultos. Os diálogos são simples e os objetivos nem sempre inteligíveis. Vale pelas locações, arquitetura, e figurinos. Todos são lindos e inovadores, como nos outros longas do diretor. Vale também pela oportunidade de reunir vários astros de obras anteriores de Tim, para esta brincadeira com o elefante. Quem é amigo de Burton, parece que nunca fica desempregado.

Espaço para o elefante
Por falar em elefante, Dumbo, sem sombra de dúvida deveria ser o astro do longa. No entanto a inserção de humanos, para serem seus coadjuvantes, acabam criando uma situação dúbia. A história não se foca nem em um bloco, nem em outro. Para atrapalhar mais ainda, filhotes de elefantes não são cachorrinhos recém nascidos, peludos e fofinhos. Dumbo é cinza, enrugado e feito num CGI estranho. É bem diferente do desenho primoroso dos anos 40 que até hoje gera dinheiro com pelúcias e bonecos. De qualquer forma, a história é importante para pessoas que possuem algo diferente. Ele defende que, independente de qualquer situação, todos tem a possibilidade de vencer.

De volta ao palco
Mais do que isto, o filme é ótimo para relembrar a infância e encantar os que ainda estão nela. Eu cresci em frente a uma área de montagem de circo e me identifiquei imediatamente com a chegada da caravana, quando tentávamos ajudar (mas mais atrapalhávamos) os trabalhadores que vinham de longe, para montar o maior espetáculo da terra. Foi ótimo ver minha filha sorrindo, com aqueles momentos simples, de um circo imaginário, que ela poucas vezes pode ver ao vivo, devido a decadência desta arte.

Do rato ao elefante
Que a franquia de Live Actions da Disney continue crescendo, nos levando para lugares raros e rememorando a existência do que já foi grandioso. Quem sabe, com o incentivo da sala de projeção, nos próximos anos consigamos ver novos espetáculos circenses, espalhados pelo mundo, de uma maneira que não imaginamos agora. Torço para que fiquem tão pujantes quanto empresa de Walt, iniciada com um ratinho de calção que assobiava. Vale a pena sonhar, afinal, como nos ensina Dumbo, se acreditarmos de verdade, é possível até um elefante voar.


Citações e Referencias
Holt Farrier: Colin Farrell, O Lagosta, 2015
Max Medici: Danny DeVito, Batman - O Retorno, 1992
V.A. Vandevere: Michael Keaton, Batman, 1989
Colette Marchant: Eva Green, O Lar das Crianças Peculiares, 2016


Trailers
https://youtu.be/AxzCNGoyD64
https://youtu.be/sZKXLmB_vGE
https://youtu.be/cJ9aX5k57yg

  • amigo

É preciso estar logado para deixar o seu comentário. Clique aqui para fazer seu login.

Comentários (0)

  • Nenhum comentário para o conteúdo.

Postagens mais recentes de Blog do Cinema

mais postagens de Blog do Cinema

JP no Facebook