Grupo Vieira da Cunha
Trovoadas esparsas

Tempo hoje

Min 24 / Max 34 +mais
20/12/2018 - 10h13

Cadáver

Filme sobre exorcismo se perde ao misturar outros subgêneros

Existem filmes que definem subgêneros do cinema. Exorcista, de 1973, é um destes. O longa forneceu todas as orientações para o terror que trata sobre expulsão de demônios, que incorporam em seres humanos. O filme da década de setenta foi extremamente impactante, mesmo com efeitos pífios da época. Estes faziam uma garotinha trocar a cor dos olhos, levitar sobre a cama e vomitar na batina de padres, entre outras maldades. A fita foi indicada para oito Oscares, ganhando dois e definiu como deveria agir o ser maligno, como seriam os clérigos, como o corpo tomado deveria se portar.

O mal persiste
Pois décadas após a sua estreia, a obra forneceu as bases para dezenas de outros filmes. Entre eles estão "O Exorcismo de Emily Rose"(2005), "O Último Exorcismo" (2010), "O Ritual"(2011), e "Exorcistas do Vaticano"(2015), para ficar nos mais famosos e recentes. Mesmo cansada, esta fonte do mal ainda não secou. Neste ano ela nos traz o novíssimo "Cadáver", que tenta misturar o subgênero com vários outros tipos de terror em voga.

Péssima terapia
Cadáver inicia com um grupo de padres tentando expulsar um demônio do corpo de uma menina. Quando o pai da garota percebe que eles não conseguirão vencer a batalha, acaba asfixiando a própria filha. O filme pula três meses no futuro e somos apresentados a ex-policial, Megan Reed (Shay Mitchell, Dreamland, 2016). Ela está se recuperando de um trauma na profissão e uma colega de Alcólicos Anônimos a indica para trabalhar no necrotério de um grande hospital. Lá ela deve receber os corpos, identificar suas digitais, fotografar possíveis ferimentos e armazená-los até a autópsia. O serviço é realizado durante a madrugada. Não demora muito e Megan acaba recebendo o corpo da menina morta durante o ritual de exorcismo.

Tratamento eficiente
O corpo é entregue completamente disforme, com cortes e queimaduras. Logo a policial começa a suspeitar que o cadáver, mesmo preso na câmara fria, esta se movendo. Sem poder comprovar sua tese, vários funcionários do hospital começam a desaparecer. A policial descobre então que as cicatrizes do corpo da menina parecem estar sumindo, uma a uma. Megan precisa descobrir o que está acontecendo, pois a cada momento o cadáver parece estar mais recomposto e desta forma a próxima a desaparecer poderá ser ela mesma.

Publicidade




Terror para todos os gostos
Cadáver nos traz mais uma vez a velha fórmula do exorcismo, apresentando uma garota que é invadida por um demonio e precisa ser contida o quanto antes, mesmo que através do sacrifíco de vários sacerdotes e parentes. No entanto, desta vez, parece que os roteiristas não estavam a fim de perder nenhum dos públicos que gostam de filmes de terror. Eles literalmente misturam um filme sobre Exorcismo com um filme sobre mortos levantando, como os de zumbis. Também existe espaço para algo que parece um vampiro, pois o cadáver se fortalece com a morte de cada uma das suas vítimas. Há ainda referencias a filmes como "O chamado" (2002), pois o monstro atual se movimenta igual a cabeluda Samara da regravação japonesa.

Silêncio sepulcral
A salada de frutas fantasmagórica até possui situações interessantes como trabalhar bastante o silêncio no filme, afinal a ação se passa na maior parte em um necrotério. No entanto a fita peca pela falta de ação. Fica difícil o espectador se preocupar com um monstro que literalmente apenas se arrasta pelos corredores. Também é bastante decepcionante as explicações sobre o ser do mal. Sabe-se que a menina foi invadida, mas qual era o demônio¿ Como isto aconteceu¿ Não existe menor comentários sobre isto. Talvez até seja bom, é o coisa ruim e se contente com isto.

Nasceu Morto
Cadáver até é divertido, mas certamente esquecível. Se você quiser assistir um filme sobre exorcismo que realmente valha seu tempo, procure clássicos como "O Exorcista" original. Mesmo sendo antiga, a fita é ótima. Tenha certeza que continua com o potencial de te deixar sem dormir, ainda nos dias de hoje. O único problema do filme de 1973 é que, infelizmente, diretores sem a mesma criatividade continuam tentando copiá-la. Sem a mesma genialidade acabam apenas gerando filmes que já estream sendo apenas... uma obra cadáver.


Trailers
https://youtu.be/LIV4-u8P8Pk
https://youtu.be/xxmvliXviSc

  • amigo

É preciso estar logado para deixar o seu comentário. Clique aqui para fazer seu login.

Comentários (0)

  • Nenhum comentário para o conteúdo.

Postagens mais recentes de Blog do Cinema

mais postagens de Blog do Cinema

JP no Facebook