Grupo Vieira da Cunha
Trovoadas esparsas

Tempo hoje

Min 20 / Max 30 +mais
12/06/2018 - 10h12

Rampage - Destruição Total

Videogame é reproduzido com muita diversão e lições de respeito a natureza

Várias vezes já falei sobre a maldição dos videogames no cinema. É mínima a quantidade de games readaptados para as telonas que alcançam sucesso de crítica e público. Jogos complexos, como Príncipe da Pérsia(2010), Warcraft(2016), Lara-Croft (2018), e Assassin's Creed (2017) infelizmente não foram bem nas bilheterias. Talvez a solução seja ir na direção contrária. No lugar de reproduzir obras complicadas, o negócio pode ser retornar ao mundo de até 36 bits, dos consoles Atari, Nintendo e Arcade. É isto que tenta o filme "Rampage - Destruição Total" (Rampage, EUA, 2018), que a pouco saiu do circuito de cinema e deve estar entrando nas programações de TV por assinatura e streaming.

Nasce um monstro
Originalmente Rampage era um jogo para Arcade. Este não possuía uma história muito complexa. Nele você podia escolher jogar com um dos três monstros gigantes disponíveis. O primeiro era um gorila de nome George. O segundo um lagarto chamado Lizzie. Já o último tratava-se de um lobisomem gigante, de nome Ralph. O objetivo do game era simples. Os monstros tinham de destruir uma cidade e se defender do exército que tentava impedi-los. Seguramente, não havia preocupação com o politicamente correto na época. De qualquer forma, esta temática simples fez com que o game, lançado em 1986 tivesse várias continuações, que chegaram até a primeira década do nosso século.

Destruindo Hollywood
Percebendo esta popularidade, Hollywood tratou de reproduzir o jogo para o cinema. O filme "Rampage - Destruição Total", inicia com uma estação espacial sendo destruída por uma experiência misteriosa. Parte dos meteoros, gerados pelos destroços, caem em diferentes áreas dos Estados Unidos. Junto com eles está um estranho componente químico ou radioativo. Os dejetos atingem planícies, povoadas por lobos, pântanos, infestados de crocodilos e uma reserva florestal para macacos. Nisto somos apresentados a George, um gorila albino domesticado e com a capacidade de se comunicar por sinais. Ele tem como tutor o primatologista Davis Okoye (Dwayne Johnson, Jumanji - Bem Vindo a Selva, 2018) que o trata como um verdadeiro amigo.

O caminho para o desastre
Logo George encontra o meteoro caído da estação espacial. Isto faz com que o macaco fique doente num primeiro momento e após comece a crescer e ficar violento. Da mesma forma um lobo e um crocodilo, que estão a Estados de distância, também começam a ser afetados pelo elemento misterioso. Inesperadamente todos estes animais iniciam uma trajetória em linha reta, até a sede da empresa dona da estação espacial. O rastro de destruição, deixado pelos bichos, é enorme. Cabe a Davis Okoye paralisar esta jornada destrutiva e tentar devolver seu amigo ao tamanho normal. Ele precisa fazer isto antes que o exército deixe os três animais em pedaços. Okoye enfrenta ainda a gananciosa empresa, dona da estação espacial, que deseja o código genético das criaturas, para gerar mais monstruosidades.

Publicidade




Quebrando a banca
O filme Rampage utiliza ótimos efeitos em 3D e pode ser um bom aperitivo para o novo Jurassic Park, que estreia esta semana. A fita possui prédios sendo dizimados e obviamente batalhas colossais entre os monstros mutantes. Estas rivalizam com as da saga Transformers (2007/2009/2011/2014/2017). A obra sobre o gorila foi feita com orçamento de U$120 milhões e obteve uma bilheteria de mais de U$ 418 milhões, triplicando o valor investido e garantindo lucro para o Estúdio.

Liberdade para destruir
A grande sacada do filme, em relação a outros longas baseados em games, foi que escolheu um jogo simples, sem muito história. Desta forma os roteiristas, e o diretor Brad Peyton, (Terremoto: A Falha de San Andreas, 2015) tiveram liberdade para inventar a narrativa do porque aqueles monstros saiam quebrando tudo, no videogame. Isto também evitou a comparação com o conto do game, que, por ser original, normalmente sagra-se vencedor. Fenômeno que claramente afetou outras adaptações mais complexas.

The best of the beast
Vale lembrar que, para viabilizar sua obra, o estúdio também contou com a participação do carismático Dwayne Johnson. Este é um dos maiores astros de ação da atualidade, onde apenas sua presença já garante uma boa porcentagem do público da película. Também ajuda a presença do vilão Russell, interpretado por Jeffrey Dean Morgan, o Negan da serie Walking Dead (2012-2018). Com um dos maiores heróis, o maior vilão e um dos maiores macacos fica fácil fazer uma bom dinheiro.

Acabando com o joystick e a pipoca
O filme "Rampage - Destruição Total", assim como o antigo jogo, não é uma história para se importar com detalhes. O objetivo da franquia é simplesmente sentar em frente a tela e aproveitar, seja com o joystick na mão ou com um grande saco de pipoca. De qualquer forma, como vivemos tempos politicamente corretos, onde tudo precisa ter um sentido, podemos pensar (mais uma vez) que o homem não deve brincar com a natureza. Sempre que faz isto contamina as águas, polui o ar, cria novas doenças ou gera um macaco gigante. Sinceramente, se fizer esta análise, PARABÊNS, mas não precisa. Vá ver Rampage e apenas tire algumas horas para se divertir. Por te ver feliz a natureza também agradece.


Trailers
https://youtu.be/KoLxg6B53vE
https://youtu.be/iJr7mmeBWgs

  • amigo

É preciso estar logado para deixar o seu comentário. Clique aqui para fazer seu login.

Comentários (0)

  • Nenhum comentário para o conteúdo.

Postagens mais recentes de Blog do Cinema

mais postagens de Blog do Cinema

JP no Facebook