Grupo Vieira da Cunha

Encoberto

Tempo hoje

Min 17 / Max 24 +mais
10/04/2019 - 10h30

Miriam Alves

Miriam Alves é uma poetisa, dramaturga e prosadora brasileira, nascida em São Paulo, em 1952. Também é assistente social e professora. Começou a escrever aos onze anos de idade. Nunca mais parou. Integrou o coletivo Quilombhoje Literatura, responsável pela produção dos Cadernos Negros (1982-2011). Em sua apresentação no manuscrito citado sublinhou de modo relevante e irrefutável “comecei chorando, agora grito palavras e lágrimas, os soluços e as agulhas da opressão que ferem fundo minha pele negra”. A escrita de protesto alicerçou seu estilo dissonante, questionador e pungente. Jorge Amado e a pensadora Neusa Santos Souza são alguns autores que influenciaram de modo determinante sua literatura. Ícone do feminismo e da temática negra. Publicou os livros de poemas Momentos de Busca (1983), Estrelas nos Dedos (1985), a peça Terramara (1988), em coautoria com Arnaldo Xavier e Cuti, o livro de ensaios Brasilafro autorrevelado (2010) e a coletânea de contos Mulher Mat(r)iz (2011). Presença constante na cena literária afro-brasileira, Miriam Alves vem tendo seus trabalhos estudados por diversos pesquisadores e objeto de artigos, teses e dissertações em universidades brasileiras e estrangeiras. Poetisa fundamental.

Por: Tiago Vargas

 

Publicidade




Gotas

Mesmo que eu não saiba falar a língua
dos anjos e dos homens
a chuva e o vento
purificam a terra
Mesmo que eu não saiba falar a língua
dos anjos e dos homens
Orixás iluminam e refletem-me
derramando
gotas
iluminadas de Axé no meu Ori.

Miriam Alves

 

Pedra no cachimbo

A pedra quando chega acerta
acerta bem no meio dos meus sonhos
bem nos olhos da esperança
e cega
a pedra quando chega
é fumaça em cachimbos improvisados
é cinco segundos de noia eufórica
 fúria em descontrole
A pedra quando chega é demo-crática
acerta brancos negros pobre e ricos
 Mas os poderes públicos só se sensibilizam
quando a pedra no cachimbo acerta
a vidraça das coberturas dos jardins
à beira-mar
E ameaça transbordar
somando todas as lágrimas de verdes olhos
aos das piscinas de sonhos
senhoriais.

Miriam Alves




CALAFRIO

O sorriso gela
a porta do paraíso prometido

A tarde cobre-se de frio
grita
esconde-se atrás dos
casacos
faz esculpir aquela saudade
do lugar
jamais percorrido.

Escorrem feito sorvete
as esperanças derretidas
no ardor do querer.

Miriam Alves

 

A persistência do erro

Perdoa-me irmão
E não há indulto possível
Meus ancestrais erraram o caminho, e
O presente não se retrata
Teu suor e teu sangue, eu sei
são a história destas ruas
nas ruínas da memória
onde se esconde a ignomínia
das desgraças que nos sustentam.

Bagual Silvestris

 

ESCUDO CARDELLA

Palavras ao sol, palavras ao mar e ele ao vento,
transforme este casulo em sentimento;
Tons suaves, voz singela,
liberte o tom da voz dela;
Este sol com olhar brilhante,
este vento com asas do tempo,
viva o casulo do sentimento;
Sobre um tom suave e singelo de seda,
sobre a fragilidade e astúcia dela,
sobre a vida e a pura alma singela,
viva ó
ESCUDO CARDELLA.

Vágner Cerentini

 

Reciclagem
diário de um catador

SEGUNDA
lata, jornal, papel,
papelão, pet, vidro
TERÇA
lata, jornal, papel,
papelão, pet, vidro
QUARTA
lata, jornal, papel, papelão
QUINTA
lata, jornal, papel
SEXTA
lata, jornal
SÁBADO
lata
Domingo
oxigênio, tubos, agulhas
SEGUNDA
madeira

Renate Schmidt

 

Fortuna

 

De que valem estes rubros
delitos
da consciência
se minha paz
oblíqua
os denuncia

e o galope do vento
os carrega
e o estrondo do mar
os ensurdece

e a vida
os atrofia?

Cecilia Kemel

 

Raízes inspiradoras

De mente inquieta
no olhar perspicaz
narrando o meu tempo
costumes e os fatos

na cidade natal
divertida e singela
de estrutura poética
só basta olhar

no prefácio da obra
meus olhos e fatos
pessoas do meio
lugares encantados

descendentes e origens
buscando moldados
valores e certezas
das raízes inspiradoras.

Jorge Corrêa

  • amigo

É preciso estar logado para deixar o seu comentário. Clique aqui para fazer seu login.

Comentários (0)

  • Nenhum comentário para o conteúdo.

Postagens mais recentes de Blog da Poesia

mais postagens de Blog da Poesia

JP no Facebook