Adcionar aos Favoritos   Sua Página Inicial
 

   Edição de Hoje
22/6/2001

Exército: Rapel nos silos

40 militares do Pelotão de Operações Especiais (Pelopes) do 3º Batalhão de Engenharia de Combate participaram ontem durante todo o dia de uma tarefa de adestramento nos silos da Companhia Estadual de Silos e Armazéns (Cesa), na Rua Morom. Segundo o comandante Wandocyr Romero, que também desceu pendurado os 48 metros de altura da estrutura, o rapel faz parte das atividades programadas para o grupo de elite do 3º BE. A principal dificuldade foi o frio de nove graus pela manhã e o forte vento durante a descida.

Volta »


Conselhos: Eleição do Comdica será no dia 5

O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (Comdica) vai eleger seu novo presidente no próximo dia 5, às 9h, na nova sala do órgão, junto à Procuradoria do Município. As chapas poderão ser formadas até o horário do pleito e a posse está marcada para o mesmo dia. Qualquer conselheiro pode concorrer, mas nenhum deles, até agora, lançou candidatura. A gestão é de um ano.
O presidente interino do Comdica, Rudiberto Hamann, revelou que seu nome já foi sondado por alguns colegas, que sugeriram que ele concorresse. Ele afirmou, entretanto, que ainda não decidiu sobre o assunto. Hamann informou que a data da eleição foi definida na reunião ordinária do Comdica, ontem. Segundo ele, 10 dos 12 conselheiros compareceram, resolvendo o problema da falta de quorum das reuniões.
DOIS MEMBROS - Hamann disse, ainda, que foi aprovada a inclusão de mais dois membros no conselho, um representando a Igreja Luterana, que pediu para entrar no Comdica, e o outro, a Secretaria Municipal de Administração. Nos próximos dias, as duas instituições deverão nomear seus representantes, que poderão votar na eleição do conselho.

Volta »


Linha direta: Valeta alaga pátios no Noêmia

Uma valeta aberta durante a obra de duplicação da Avenida Marcelo Gama está alagando os pátios de várias residências na Rua Farroupilha, no Bairro Noêmia. Segundo informou ontem a dona de casa Eone Estelita de Castro, residente na Rua Farroupilha, alguns moradores já canalizaram a valeta por conta própria. “Como a culpa não é nossa, estamos esperando providências da Prefeitura”, explicou. A valeta mal canalizada tem trazido transtornos para a moradora já que passa nos fundos de sua propriedade. “Em dias de chuva forte a água não escoa pelos poucos canos que a Prefeitura colocou e o pátio fica inundado. Há pouco tempo a água chegou até a porta da minha casa e por sorte não inundou a cozinha”, reclama Eone.

Leitora elogia curso
A merendeira Maria Cristina de Alves Aires, moradora da Cohab ligou o 5588 para dar nota 10 ao curso de técnico em enfermagem promovido pelo FormaSUS.

Volta »


ICMS: Liminar garante a inscrição da Furlan

Das oito empresas cachoeirenses que tiveram cancelados os seus registros no cadastro geral de contribuintes do Tesouro Estadual por somarem um débito superior a R$ 6,5 milhões em impostos, juros e multas, uma conseguiu liminar e outras três estiveram ontem na Agência da Fazenda do Estado para buscar informações de como negociar as dívidas. A Indústria de Fumos Furlan obteve uma liminar na Justiça, assinada pela juíza Lílian Astrid Ritter, em uma medida cautelar impetrada antes da publicação das empresas no Diário Oficial. Com isso, manteve o seu registro e está funcionando normalmente.
Todas as oito empresas são reincidentes em atrasar sistematicamente o imposto, renegociar e não cumprir os parcelamentos. Pelo menos outras 12 firmas cachoeirenses estavam correndo o risco de terem seus registros cassados pelo Estado e conseguiram renegociar seus cadastros e colocar os atrasados em dia. Os advogados da Indústria de Fumos Furlan explicaram ontem à noite que o Estado não pode coagir as empresas com o cancelamento de seus registros. Segundo informaram, há uma súmula do Supremo Tribunal Federal prevendo que o Estado deve acionar a cobrança administrativa ou jurídica e até pedir a falência das empresas, mas jamais coagi-las de modo a impedi-las de trabalhar com a retirada do cadastro do Tesouro Estadual.
DIREITO AO TRABALHO - Um dos advogados, que preferiu não ser identificado, afirmou que as outras sete empresas podem ingressar com mandados de segurança na Justiça que retomam o direito de trabalhar. Ontem espalhou-se na cidade a informação de que uma das empresas, a indústria Lino Anversa, estava fechando as portas, o que foi desmentido pelos diretores. Mesmo estando na lista da firmas que perderam o cadastro, a empresa estabeleceu negociações com a Secretaria da Fazenda e pretende regularizar a situação a curto prazo.

Importante
O cancelamento foi a medida tomada pelo Governo do Estado para criar um exemplo do que acontecerá com outras empresas devedoras que não levarem a sério os termos de negociação da dívida. No total 150 empresas perderam o seu registro no Rio Grande do Sul nesta primeira leva e, agora, estão impedidas de realizar negócios oficiais. Suas notas fiscais e os livros perderam o valor. No caso das oito empresas cachoeirenses, desde 1999 foram tentadas cobranças amigáveis e judiciais, incluindo o financiamento da dívida através do Refis.

UMA PERGUNTA
Por que estas empresas tiveram seus registros cancelados?
As empresas punidas entraram nesta situação por não recolherem junto à Fazenda Estadual o imposto declarado, devido e não-pago. Segundo o agente da Fazenda em Cachoeira do Sul, João Francisco Silveira, este tipo de atitude, inédita no Rio Grande do Sul, é legal e tomada pelo Governo do Estado. As empresas atingidas poderão retomar os negócios de comércio e indústria, mesmo com o cancelamento do cadastro, caso venham a obter uma liminar na Justiça. O débito soma mais de R$ 6,5 milhões.

No Diário Oficial
As empresas punidas
Indústria de Fumos Furlan (uma liminar manteve a inscrição)
Eurocar Veículos
Kerber Comercial de Válvulas e Conexões
Kerber & Cia Ltda
Lino Anversa & Cia
Materiais de Construção La Construtiva Ltda
Metalúrgica Theodoro Pelzer
Trojan Gás Ferramentas e Máquinas
Fonte: Diário Oficial do Estado

Volta »


Agronegócios: Jornada do Boi reúne pecuaristas de ponta

Cerca de 100 pecuaristas de Cachoeira do Sul prestigiaram a IX Jornada Técnica em Bovinocultura de Corte, realizada ontem na Fenarroz, pela Emater, o Sindicato Rural e a Smap. O foco principal foi a produção de carne. Cachoeira tem um dos 10 maiores rebanhos bovinos do RS e destaca-se pela característica de terminação de animais para abate.

Volta »


Motim das Obras: Simcasul quer cabeça de Mainardi

O prefeito Pipa Germanos enfrentará hoje um dos mais difíceis momentos políticos de sua administração. Terá de contornar a crise entre os funcionários municipais lotados na Secretaria Municipal de Obras (SMO) e o secretário Alceu Mainardi. Em uma audiência às 8h30min o presidente do Simcasul, João Jorge da Silva Neto, entregará ao prefeito o “Dossiê Mainardi” listando as medidas adotadas pelo secretário que ofenderam ao funcionalismo. Ontem o presidente anunciou que, em nome dos funcionários, pedirá ao prefeito a demissão do secretário.
O sindicalista explicou que os servidores da SMO discutiram o tema ontem e enviaram uma comissão para debater a crise com a direção do Simcasul. “A decisão dos servidores é de não aceitar mais o engenheiro Mainardi como secretário ou qualquer tipo de diálogo com ele”, afirmou João Jorge. Segundo ele, o encontro de hoje não terá a presença de Mainardi. No documento que será entregue ao prefeito, além de enfatizar a rejeição dos funcionários e o pedido de demissão de Mainardi, os representantes do Simcasul acrescentaram o que denominaram “estorinhas”. São narrativas com os fatos que teriam causado tumulto entre o secretário e os servidores.
CC - Ontem, um funcionário que detém cargo em comissão na Secretaria de Obras telefonou para a redação do Jornal do Povo para dizer que o vice-prefeito, Claudinho Schlottfeldt, apóia a decisão do funcionalismo. Claudinho, que não foi localizado para confirmar a posição, mesmo sendo o principal líder dos servidores municipais, se mantém eticamente afastado da discussão e afirmou para amigos que a decisão é do prefeito Pipa Germanos. O secretário Alceu Mainardi não respondeu aos recados deixados com suas secretárias na SMO ou às ligações, ontem à noite, para seu telefone celular. Sua posição, no entanto, é conhecida. Para Mainardi o Simcasul conhece apenas a versão dos funcionários e está sendo corporativista.

UMA PERGUNTA
Prefeito Pipa, o senhor vai demitir Alceu Mainardi?
“Não, não. As coisas não são assim. Isso é um assunto interno, uma situação interna que será resolvida internamente. Quando eu tiver uma posição eu aviso vocês. Amanhã (hoje) eu vou ouvir o que o sindicato e os funcionários têm a dizer”.

Volta »


Polêmica: Pipa segue a cobrança do asfalto

A Prefeitura de Cachoeira do Sul, mesmo sendo acionada judicialmente por contribuintes que não querem pagar pelas obras de asfaltamento, segue cobrando pelas novas pavimentações. Na edição de ontem do Jornal do Povo o prefeito Pipa Germanos publicou três editais oficializando a cobrança a 117 moradores das ruas Augusto Brandão, Leopoldo Souza e Dionísio Marques. As três novas etapas de asfaltamento terão um custo de R$ 156,6 mil. Em média, cada metro quadrado - dos 795 metros lineares de rua asfaltadas - custará R$ 23,00.
As ações contra o pagamento estão sendo encaminhadas pelo advogado Leandro Schirmer, que já oficializou cerca de 80 ajuizamentos e admite que muitos contribuintes estão lhe procurando para evitar a cobrança e até receber a devolução de parcelas já pagas. As ações estão ingressando na 1ª e 2ª varas cíveis e ainda não chegaram a ter seus méritos apreciados pelos juízes. A Justiça também não concedeu nenhuma liminar suspendendo o pagamento do asfalto. Segundo Schirmer, nem ele e nem a Prefeitura foram citados pela Justiça.
A briga na Justiça pode demorar até seis anos e foi provocada por existir entendimentos opostos em relação a forma de definição dos valores da contribuição de melhoria. O Código Tributário Municipal, usado pelo prefeito Pipa Germanos, estabelece que o preço gasto para a realização da obra deve ser integralmente cobrado do contribuinte. O entendimento do advogado Leandro Schirmer, pegando outras leis federais como base, é de que a contribuição de melhoria deve ser apenas nos valores da real valorização do imóvel com a pavimentação.

Volta »


IPTU: Restam 6 mil carnês na Fazenda

Terminado todos os prazos e possibilidades de pagamento do Imposto Predial e Territorial Urbano de Cachoeira do Sul deste ano, ainda restam 6.102 carnês do tributo na Secretaria Municipal da Fazenda. O volume representa 22,2% do total de 27 mil carnês cobrados pelo Município neste ano, mas o número de inadimplentes pode ser maior, já que muitos contribuintes retiram suas guias, levam para casa e também não pagam ou deixam alguma parcela para trás. No ano passado, 10 mil carnês não foram pagos.
Os contribuintes inadimplentes precisam se apressar se não quiserem pagar o imposto na Justiça. A Prefeitura está agilizando o ajuizamento da cobrança de todos os devedores a partir de 1996 e logo chegará a vez dos de 2001. Em dívida ativa, onde já estão inscritos, os inadimplentes pagam 10% de juros pelo débito ter ultrapassado 90 dias e mais 1% a cada mês de atraso no pagamento. De acordo com a diretora da Secretaria da Fazenda, Moema Schuh, a dívida do IPTU pode ser parcelada em até 36 vezes. Nenhuma parcela poderá ser inferior a R$ 20,61, o valor de uma Unidade de Referência Municipal (URM).

Volta »


JP-72 anos: 1º Salão de Artes começa hoje

O 1º Salão de Artes de Cachoeira do Sul inicia hoje em um dos prédios do Engenho Roesch, no Centro, com o coquetel de premiação dos vencedores da promoção, às 20h. Os 32 artistas que assinam as 60 obras selecionadas para a exposição, autoridades, promotores, representantes de órgãos e entidades e a sociedade cultural do município deverão participar da solenidade, que terá, como uma das atrações, um grupo de malabaristas e artistas equilibrados em pernas-de-pau. A visitação será aberta à comunidade amanhã.
O salão poderá ser visitado até o dia 31 de julho, das 8h30min às 11h30min e das 14h às 17h. A entrada é franca. Os coordenadores revelaram que a decoração do local não alterou praticamente em nada as características rústicas do engenho. As máquinas e objetos que lembram o beneficiamento do arroz continuam no local e compõem um contraste com a modernidade das obras expostas. Quem for até o local poderá, ainda, assistir a um vídeo com fotos relacionadas à história do prédio e da cultura arrozeira. O convite para o evento também valoriza o prédio do engenho, com uma ilustração feita pelo julgador/artista plástico Sílvio Bento, de Porto Alegre.
ATRAÇÕES PARALELAS - Os promotores do Salão de Artes, Jornal do Povo, Serviço Social do Comércio (Sesc) e Prefeitura Municipal, montaram uma programação de apresentações artísticas de talentos cachoeirenses, que acontecerão em todos os finais de semana, no interior do prédio do engenho, até o final do evento. Amanhã e domingo, às 16h, se apresentarão, respectivamente, Gaspar Tavares (tecladista) e o Quinteto Acústico.

Importante
A vencedora-geral do 1º Salão de Artes de Cachoeira do Sul é a artista plástica baiana Raquel dos Santos Lima, que reside em Porto Alegre. O conjunto de três pinturas inscritas por ela ficou em primeiro lugar, garantindo o prêmio-aquisição de R$ 1.500,00. A porto-alegrense Dânia Castro Moreira ganhará R$ 1.000,00 pelo segundo lugar, garantido também com uma pintura em tela. O cachoeirense Enio Roberto Hamann é o terceiro colocado, recebendo R$ 500,00 por uma escultura em madeira. Elton Jones Lopes, de Cachoeira, e Gelson Luís Esteves, de Porto Alegre, receberão os troféus de menções honrosas. Os vencedores gerais, menções honrosas e primeiros e segundos colocados nas seis categorias do salão receberão troféus.

PROGRAMAÇÃO
Atrações do salão
As apresentações acontecem nos finais de semana, sempre às 16h:
Amanhã - Gaspar Tavares
Domingo - Quinteto Acústico
Próximo dia 30 - Grupo Vocal do Colégio Sinodal Barão do Rio Branco
Próximo dia 1º - Apresentação do texto “Juiz de paz na roça”, de Martins Pena, dentro do projeto Dramaturgia: Leituras em Cena
Próximo dia 7 - Gaspar Tavares e amigos
Próximo dia 14 - Coral Cândida e Coral Infantil do Colégio Roque Gonçalves
Próximo dia 15 - Coral do Sesc
Dia 22 de julho - Grupo de Canto do Grupo Espaço Vida Girassol/Sesc

Para saber mais
Quem são os artistas premiados no 1º Salão de Artes
1. Pintura

1º - Raquel Lima (Porto Alegre), 1º lugar geral Conjunto da obra: Títulos: “Pulsações de emoções e sentimentos”, “Pulsações e sentimentalidade I”, “Pulsações e sentimentalidade II”
2º - Dânia Moreira (Porto Alegre), 2º lugar geral Título: “Rio”
2. Escultura
1º - Enio Hamann (Cachoeira do Sul), 3º lugar geral
2º - Tarmo Fischer (Porto Alegre) Título: “Escultura de parede”
3. Desenho
1º - Antonio Albino Maciel (Porto Alegre) Título: “Trecos”
4. Gravura
1º lugar - Renato Fontanari Thomsen (Cachoeira do Sul)
2º lugar - Raquel Lima (Porto Alegre)Conjunto da obra
5. Proposta
1º lugar - Renato Thomsen (Cachoeira do Sul)
6. Fotografia
1º lugar - Maurício Thomsen (Cachoeira do Sul)
Título: “Coliseu/2001”
2º lugar - Joelson de Siqueira Marques (Cachoeira do Sul)

OS PARTICIPANTES
Quem expõe no salão
Além dos vencedores, outros artistas estarão expondo no I Salão de Artes de Cachoeira do Sul:
Adriana Stringuini
Adriano Castagnino
Ana Maria Wicteck
Angela Schwab
Carla Schlabitz Cauduro
Clarice Amaro Scarparo
Daniel de Oliveira Gomes
Domingos Zanonato
Doroty Helena Beskow Machado
Elaine Prass
Elisandro Pedroso
Eloísa Félix Aires
Elton Jones Lopes
Gelson Luís Esteves da Silva
Gilda Tudendi Correa
Heleana Kury Franke
Helena Silva Guterres
Helenara da Rosa
Iara Valquíria Roedel de Souza
Ilse Ana Piva Paim
Maurício Thomsen
Moema Gonçalves
Reginato Chagas Lisboa
Tânia Maria Tavares da Silveira
Valquíria Rodrigues

Volta »


JP/Sesc na Sala de Aula: A arte de transformar lixo em luxo

Tem gente em Cachoeira do Sul que consegue tirar leite de pedra com o lixo urbano. São pessoas que descobriram uma forma de despoluir o ambiente reaproveitando os descartes da sociedade, transformando lixo em luxo. Saber reciclar é uma arte. É o que fazem as irmãs Cristina Coria e Roxana Lírio, por exemplo, que aproveitam materiais orgânicos para produzir objetos de arte e de utilidade para o dia-a-dia da casa e do escritório. Há seis meses elas criaram a miniempresa Di Papel & Carinho, que funciona numa garagem improvisada como ateliê na Rua Leopoldo Souza, 372, no Bairro Ponche Verde.
Cascas de cebola, nozes e arroz, macela, barba de milho, corda sisal, pétalas de flores e outros materiais, para elas, não rendem uma receita culinária ou chás caseiros. São a matéria-prima para confecção de objetos de decoração, como porta-retratos, abajures, luminárias, álbuns de fotos, agendas, porta-revistas, cartões de visitas e caixas de presentes. Todos os produtos surgem da criatividade das irmãs-empresárias. No processo de fabricação das chapas que darão forma aos objetos, lógico, entra aparas de papel, comprados nas gráficas da cidade. O processo é trabalhoso, mas gratificante, explicam Roxana e Cristina.
O trabalho começa com o cozimento da matéria-prima, em panelões. O resultado é uma calda, onde são misturadas as aparas de papel, previamente cozidas. A pasta passa para um liquidificador, onde é processada numa velocidade centrífuga constante até que se eliminam os resíduos de água. O material é passado para uma prensa e à sala de secagem. O que sobra são chapas de papel que é trabalhado manualmente até se transformar nas obras de arte, definem as sócias. Elas investiram cerca de R$ 3.000,00 para adquirir os equipamentos, que incluem ainda as telas, encadernadora de folhas, tanque e fogão. “Esperamos recuperar o investimento em um ano”, concluem elas.

Experiência artística
Cristina Coria é professora das oficinas de reciclagem e serigrafia da Secretaria Municipal do Trabalho e Ação Social (Stas), enquanto sua irmã trouxe para a Di Papel & Carinho a experiência de ter trabalhado na empresa Bella Luminárias. As empresárias têm dois projetos definidos para o futuro: montar uma exposição de artigos decorativos no Hamburgo Hotel, em outubro, e abrir um show-room de venda direta ao público. Hoje, apenas a Dipel Papelaria comercializa os artigos feitos na pequena garagem do Ponche Verde.

ATENÇÃO
Cristina e Roxana fazem questão de dar mais uma mão na educação ambiental, na medida em que imprimem nos cartões de visita que fabricam o tipo de material que é utilizado. Elas desenvolveram uma técnica especial que também emprega a tintura de cascas de nozes, por exemplo, para dar cores aos cartões.

Importante
O Cempre (Compromisso Empresarial para Reciclagem) divulga na internet (www.cempre.org.br) uma listagem nacional com locais que recebem e compram material para reciclagem. O telefone da ONG em São Paulo é (11) 852-5200.

FICHÁRIO
O vidro
O vidro foi descoberto há milhares de anos pelos fenícios que, juntando areia quente com cinzas, conseguiram obter um material transparente, hoje chamado de vidro.
Atualmente o vidro é fabricado praticamente a partir da mesma matéria-prima - areia, de onde é retirada a sílica.
O vidro, quando levado para os aterros sanitários não se decompõe, o que diminui a vida útil do aterro.
Na reciclagem, o vidro é triturado, transformado em pequenos cacos e enviados às vidrarias. Misturados em fórmulas com 35% a 50% de cacos, são juntados com areia, calcário, sódio e outros minerais, colocados em fornos para serem fundidos a uma temperatura média de 1.300 graus centígrados.
Após a fusão, a massa é despejada nas diversas formas das indústrias vidreiras e, por um processo automático, transformado em novas embalagens.

JOGO RÁPIDO
Reciclável
Recipientes em geral, garrafas de vários tamanhos, copos
Não-reciclável
Espelhos, vidros planos, lâmpadas, tubos de tevê, cerâmica, porcelana

MENOS ENERGIA
A reciclagem permite, também, economia de energia, pois para a fabricação de vidro a partir de cacos é necessário que o forno da vidraria atinja a temperatura média de 1.300 graus centígrados, enquanto que utilizando-se apenas matéria-prima virgem a temperatura do forno deve chegar a 1.500 graus.

Sucata vira material pedagógico
Os alunos da Escola Municipal de Ensino Fundamental Alarico Ribeiro, no Bairro Alto do Amorim, estão aprendendo a usar o lixo recolhido em campanhas de reciclagem para fabricar peças que auxiliam no aprendizado em sala de aula e objetos decorativos para a escola. O laboratório da escola está cheio de materiais feitos por eles a partir do lixo. Alunos e professores aproveitam garrafas pet para fabricar embalagem para as pequenas peças didáticas que surgiram a partir do uso de papelão e madeira.
Dados e outras peças de jogos para o lazer são feitos de caixas velhas e tampinhas de garrafas. Da mesma forma, os alunos aproveitam tampas de caixas e parte de papelões para confeccionar personagens infantis para enfeitar os murais da Alarico Ribeiro e como matéria-prima para elaborar cartazes educativos, diz, satisfeita, a diretora da escola, Marta Gall Gófas. Ela estimula a adesão ao clube de Vigilantes do Meio Ambiente, formado neste ano por um grupo de meninas.

No Piquiri, lixo é artigo de arte
A comunidade da Escola Municipal de Ensino Fundamental Sagrado Coração de Jesus, da localidade de Piquiri/Posto Shell, também dá exemplos de reutilização do lixo seco como forma de educação e preservação ambiental. O programa “A educação em resgate da natureza”, iniciado em maio deste ano, é uma gincana em que os grupos devem cumprir tarefas ecológicas. Entre elas, duas chamam a atenção pelo reaproveitamento de material reciclável. Os participantes tiveram de montar uma peça de teatro ligada ao tema, confeccionando figurinos e cenários com lixo seco.
Outra tarefa mandava que os estudantes confeccionassem brinquedos de vários tipos, utilizando material descartado em suas casas e na escola, adianta a professora Valquíria Ferraz Fernandes, uma das coordenadoras executivas do projeto. Para os próximos meses a gincana prevê a criação de um minhocário para decomposição do lixo orgânico (agosto), apresentação de palestras e vídeos ecológicos (setembro), uma visita ao aterro sanitário e um piquenique ecológico, em outubro.

Volta »


Emancipações: STF suspende todas emancipações do RS

O Supremo Tribunal Federal suspendeu ontem, em decisão unânime, todos os processos de emancipação em andamento no Brasil. A posição foi tomada junto com o julgamento de uma ação direta de inconstitucionalidade - acatada liminarmente - impetrada contra a criação do município de Pinto Bandeira, no Rio Grande do Sul. O STF definiu que nenhuma emancipação será mais aceita no país até que haja a regulamentação da Emenda Constitucional 15, que tornou mais exigente o processo de separação dos distritos. Até mesmo municípios já emancipados poderão enfrentar a reversão de sua criação, caso de Pedras Altas, emancipado de Herval e Pinheiro Machado, em 1989, e outros 24 municípios brasileiros criados depois da Emenda 15.
A Emenda 15 estipula critérios mais rigorosos para permitir o plebiscito, entre eles a de que toda a população de um município, e não apenas os moradores das localidades envolvidas, votem se aceitam ou não a emancipação. Os 71 pedidos de emancipação protocolados na Assembléia Legislativa, entre eles Três Vendas e Piquiri - de Cachoeira do Sul, não poderão mais tramitar até que seja criada lei complementar federal para regulamentar a Emenda 15. Suspensas desde 1996 no Rio Grande do Sul, os processos de emancipação haviam sido retomados com o entendimento de que, como não havia regulamentação à Emenda 15, estava em vigor a lei estadual, mais branda.

Piquiri protocolou ontem o seu pedido
O presidente da comissão de emancipação da localidade do Piquiri, Kiko Bonugli, liderou ontem o encaminhamento do pedido de emancipação dos distritos de Cordilheira e Capané na Assembléia Legislativa. O vereador Rubens Braga (PDT) e os membros da comissão de emancipação Alberto Beskow e Paulo Prates de Souza acompanharam os trabalhos. O grupo ainda esteve reunido com os deputados Otomar Vivian (PPB), Paulo Odone (PMDB), João Luiz Vargas (PDT) e Ronaldo Zulke (PT) pedindo apoio ao processo. Hoje as lideranças do Piquiri se reúnem para definir os próximos passos da mobilização e criar subcomissões para desenvolver os trabalhos.

Volta »


Ação comunitária: Diocese inicia a recuperação de drogados

A fazenda de recuperação de dependentes químicos, iniciativa da Diocese de Cachoeira do Sul, inaugura hoje, às 15h. Os portões estarão abertos à comunidade na única oportunidade que terá para conhecer as instalações. Uma vez inaugurada e com internos ocupando a propriedade não será mais permitido o acesso da comunidade ao local. A fazenda, que será administrada por uma entidade criada para isto, a Fazenda de Recuperação Piquiri, na verdade é uma chácara, cedida pelo leigo Diógenes Capra para o atendimento aos dependentes químicos. Capra cedeu a propriedade por três anos em regime de comodato à diretoria da entidade.
A fazenda para os drogados localiza-se a 15 quilômetros da Catedral Nossa Senhora da Conceição, na localidade de Cerrito. De acordo com o vice-presidente da Fazenda Piquiri, Aristides Silveira, cerca de 10 dependentes estão inscritos e serão os primeiros contemplados com o atendimento, já que a chácara possui uma estrutura que permite a internação de até 15 pessoas durante um mesmo período. Silveira esclarece que este é apenas o primeiro passo para o início dos trabalhos. O nome da fazenda faz referência ao projeto inicial de construir o centro na localidade do Piquiri, onde a diocese disponibilizou uma área que ainda não teve a obra iniciada por falta de recursos. Depois de concluída a fazenda no Piquiri, os coordenadores pretendem utilizá-la para o atendimento de mulheres.
O centro de triagem que será construído na Vila Maria, próximo à Volta da Charqueada, também espera por dinheiro para a concretização. Na falta da obra, uma das casas da propriedade será utilizada para proceder a triagem, que será coordenada por um médico clínico, para detectar o nível de intoxicação e a necessidade de tratamentos de apoio ao drogado. O tratamento na chácara de recuperação terá duração média de nove meses, sendo quatro deles de internato e os demais de internações intercaladas.
TRATAMENTO - Na fazenda, um especialista coordenará o tratamento e os próprios internos cuidarão das tarefas domésticas, que funcionam como terapia ocupacional. Os demais inscritos ficarão na espera por novas vagas. Um dos membros do conselho deliberativo, Antônio Hermes, informou que, “embora tenhamos o apoio da igreja católica, não existe nenhum interesse em influenciar os internos sobre sua religião ou crença. Nossa preocupação é fortalecer a fé dos dependentes, que é vital num processo de recuperação como este, pois representa o equilíbrio”, explicou Hermes.

Importante
Todo o trabalho na fazenda é feito por voluntários. Profissionais médicos, enfermeiros, psicólogos, monitores e diretoria disponibilizaram parte de seu tempo para lutar pela recuperação dos dependentes. O vice-presidente Silveira informou que a experiência neste processo é vital e muitos dos voluntários são dependentes recuperados. “Temos exemplos de recuperação inclusive em nossa diretoria. Precisamos mostrar a essas pessoas que é possível reverter um quadro de dependência”, disse.

Duas perguntas
1. Ainda é possível inscrever-se?
Sim. As inscrições ainda estão sendo aceitas nas pastorais sociais em horário comercial, na Travessa da Conceição, 1007, ou pelos telefones 3722-5815 e 9139-2247. É necessário informar nome completo, idade e endereço. Antes de ter confirmada sua internação, o dependente passará por uma avaliação médica e entrevista com profissionais qualificados.
2. Como chegar à fazenda?
No dia da inauguração a diretoria da entidade disponibilizará gratuitamente um ônibus que sairá às 14h da frente da Catedral Nossa Senhora da Conceição. O transporte fará paradas em frente às igrejas Santo Antônio, São José e Nossa Senhora da Penha.

Entenda melhor
Como funcionará a fazenda
Um monitor vindo de Gravataí ficará responsável pela coordenação dos trabalhos na fazenda. Trabalharão no apoio mais dois voluntários.
Os internos obedecerão a um cronograma de atividades com horários preestabelecidos.
Serão disponibilizadas para alojamento duas casas que passaram por reformas e adequações para receberem os internos. O investimento nas reformas foi de R$ 4.400,00, provenientes no dia da coleta promovido anualmente durante a Campanha da Fraternidade.
As atividades incluem cultivo de hortigranjeiros, criação de animais, produção de alimentos e tarefas domésticas como cuidados da casa, roupas e elaboração de alimentação.
Os atendimentos psicológicos e médicos serão solicitados de acordo com a necessidade detectada entre os internos no decorrer do tratamento.
Um dos voluntários servirá como contato entre os internos, familiares, equipe médica e coordenadores da fazenda.
Uma campanha será lançada durante o transcorrer dos trabalhos para angariar recursos que objetivam qualificar ainda mais o atendimento aos internos.

PARA SABER MAIS
O papel dos familiares no processo de recuperação
Os familiares terão de participar de reuniões de grupos de apoio como Al-Anon, Amor Exigente e Narcóticos Anônimos. A participação é critério decisivo para que o dependente tenha direito a integrar o programa. As visitas de familiares aos internos serão agendadas previamente. A metodologia de tratamento permite aos familiares uma visita mensal. A diretoria da entidade informou que o isolamento dos internos faz parte do tratamento pois, permite maior tranqüilidade e reflexão. “O apoio da família é fundamental ainda que distante. Os internos saberão que a distância faz parte do processo”, explicou Hermes, conselheiro da diretoria.

ATENÇÃO
Em caso de chuva o ato inaugural será procedido no Centro de Pastoral.

A ENTIDADE
A Fazenda Piquiri
A entidade filantrópica já tem seu registro oficializado e diretoria definida, que pretende com o decorrer do tempo tornar o projeto auto-sustentável com a comercialização dos alimentos produzidos na fazenda. A diretoria:
Presidente Celso Edir Cerentini
Vice-presidente Aristides Colmar Silveira
1º tesoureiro Edy Brendler
2º tesoureiro Tatiana Bernardes
1º secretário Lidiane Soares Cerentini
2º secretário Heleno Maurício Cerentini
Conselho fiscal Ceni Ceolin, Élvio Bortoluzzi, Joaquim Vitorino Casarin, José Antônio Santos
Silveira e Partinobre Quintana de Freitas
Conselho deliberativo Antônio Hermes, Dener Rodrigo Cerentini, Dora Vedoim, Evaldo Kilpp, Maria Irene Silveira, Olívia Raquel Streck, Partinobre Brito de Freitas, Rosélia Cauduro Brendler, Teolide Casarin, Vanderlei Mariani, Zaira Inês Cerentini

Volta »


Tradicionalismo: Concurso de prendas da 38º Semana Farrapa tem regras

A Associação Tradicionalista e Cultural de Cachoeira do Sul definiu na noite de quarta-feira, no CTG Lanceiros do Sul, as regras de seu concurso de prendas da 38ª Semana Farroupilha. O departamento cultural da ATC coordenará a escolha com a professora Eunice Moro e as atuais prendas da associação. Elas apresentaram o regulamento e o conteúdo do concurso que acontecerá no CTG Lanceiros do Sul no dia 28 de julho. As entidades tradicionalistas também definiram que vão indicar representantes de suas invernadas para formar uma comissão para organizar a reculuta campeira e o desfile do dia 20 de setembro. A próxima reunião da ATC é no dia 10 de julho na SUC.

Volta »


Sociedade: Comercial apresenta a sua rainha

Um jantar dançante no último dia 16 marcou os 77 anos do Clube Comercial, quando foi apresentada a nova rainha do clube, Indiara Noronha. A festa do mês de aniversário prossegue neste domingo com uma corrida rústica. A largada será as 9h da sede campestre do clube, no trevo de acesso à Avenida Marcelo Gama. Após o meio-dia as atividades seguem com festa junina. No comando das barraquinhas e das apresentações artísticas estará o Grupo de Escoteiros Ibiraiaras. “Vamos promover um arraial com danças e comidas típicas durante a tarde de domingo. A culminância da festa será com o acendimento da fogueira”, completou o diretor, que espera toda a comunidade no evento.

Volta »


Bairros: M. Ribeiro já tem nova diretoria

O aposentado Adão Escouto foi eleito terça-feira, por unanimidade, presidente da Associação de Moradores do Bairro Marques Ribeiro, em assembléia que contou com a participação de 10 moradores. O nome do aposentado foi indicado por consenso entre os presentes na assembléia. A posse para um mandato de dois anos aconteceu ontem mesmo. Escouto, que manteve-se como presidente nos últimos três meses de mandato da antiga diretoria, em decorrência do presidente eleito ter fixado residência em outra cidade, pretende formar dois novos grupos de trabalho que integrarão a diretoria.
“Teremos uma comissão de pavimentação e outra social. Em ambas o trabalho será averiguar as necessidades encontradas na comunidade e buscar soluções”, disse. “Esperamos contar com a mobilização da comunidade para melhorar a vida do bairro”, concluiu. Escouto entra em seu terceiro ano integrando a diretoria da associação. Nova assembléia elegerá o conselho fiscal.

A nova diretoria
Presidente - Adão Escouto
Vice-presidente - Juraci Quadros
1ª secretária - Maria de Fátima Moreira
2º secretário - Noli Porto
1º tesoureiro - Luiz Moreira
2ª tesoureira - Josefa da Luz Escouto

Volta »


Saúde pública: MP intervém na crise SUS x HCB

O Ministério Público de Cachoeira do Sul interveio na crise de relacionamento entre a Secretaria Municipal de Saúde, responsável pela aplicação dos recursos do SUS, e o Hospital de Caridade e Beneficência, que cobra dívida superior a R$ 1 milhão do Município e não recebeu os R$ 420 mil referentes ao repasse pelo atendimento dos pacientes do sistema em maio. O promotor Jayme Weingartner, titular da promotoria especializada, teve audiências ontem com o provedor Leonardo de Carvalho, o administrador Luciano Morschel e a diretoria da Liga Feminina de Combate ao Câncer. A principal intenção do promotor é chegar a um entendimento entre o HCB e a Prefeitura para, num primeiro momento, tentar salvar o setor de quimioterapia do fechamento, prometido pelo hospital se não receber em 60 dias os repasses do serviço, atrasados desde fevereiro.
Como recém havia recebido a notificação do HCB, enviada também à Prefeitura e ao Conselho Municipal de Saúde quarta-feira, a primeira medida de Weingartner foi colher depoimentos sobre a situação do setor. Depois de ouvir os dirigentes ligados ao hospital, o promotor contatou o vice-prefeito Claudinho Schlottfeldt e conseguiu marcar uma audiência, possivelmente com o prefeito Pipa Germanos, para a semana que vem. “Ainda precisamos acertar o horário, mas o encontro vai acontecer segunda ou terça-feira”, avisou Weingartner.
O promotor recebeu das mãos do administrador Luciano Morschel ontem cópia do contrato firmado entre Prefeitura e HCB para manter a quimioterapia e a explicação do provedor Leonardo de Carvalho de que o excedente de R$ 7 mil/mês do teto de R$ 20 mil acordado entre as partes em 1995 é culpa do Município, que quase triplicou o número de pacientes em seis anos sem prever mais dinheiro para cobrir o serviço. O número atual de pacientes da quimioterapia é de 75 e desde fevereiro o hospital vem arcando com as despesas do setor.

LFCC não aceita o fechamento
As dirigentes da LFCC Ana Both e Araci Batista já sabiam da grave situação da quimioterapia desde quando pacientes as procuraram no início do ano dizendo que a secretaria havia negado atendimento a eles. “Precisamos fazer um imenso esforço junto com o chefe do setor, Jorge Martines, para conseguir tratamento para estes pacientes”, informou Araci. De acordo com Ana Both, a liga já estava tomando medidas para a possibilidade de fechamento da quimio, entre elas a busca de informações na Secretaria Municipal de Saúde e pedido de providências para a 8ª Coordenadoria Regional de Saúde.
A entidade formulou um documento para ser entregue nos próximos dias à coordenadora Marta Caminha. “A liga não vai aceitar o fechamento da quimioterapia, que foi conquistada com muito trabalho por nós, pelo hospital e pela comunidade cachoeirense. Vermos as portas do setor lacradas seria um retrocesso muito grande para a cidade. Somos reconhecidos em todo o estado pela excelência no atendimento”, disse Ana.

Importante
A secretária municipal de Saúde, Magnólia Erhardt, informou ontem que a Secretaria Estadual da Saúde entrou em contato com a DataSUS, que processa os dados ao Ministério da Saúde para a liberação do dinheiro do SUS, pedindo agilidade na transmissão dos dados de maio, que estão atrasando o envio do dinheiro do mês passado. As prestações de contas da secretaria estão desde o dia 13 no Rio de Janeiro, sede da empresa, mas somente terça-feira começaram a ser processados.

Volta »


Prisões: Xerife é capturado pela Defrec em Santa Cruz

O assaltante mais procurado de Santa Cruz do Sul e um dos principais foragidos da Polícia Civil de Cachoeira está atrás das grades desde o início da noite de quarta-feira no Presídio Regional de Santa Cruz. Edilson dos Santos, o Xerife, foi preso em sua propriedade, no Bairro Navegantes, depois de uma operação relâmpago envolvendo 25 policiais da Delegacia de Furtos, Roubos e Capturas (Defrec) e a Brigada Militar. A operação pôs fim a uma busca que se arrastava há dez meses. Há 20 dias a Polícia santa-cruzense voltou todas as atenções à caça de Xerife.
Somente nos últimos sete meses, quatro mandados de prisão foram expedidos pela Justiça gaúcha contra Edilson dos Santos, sendo dois deles por crimes praticados em Cachoeira do Sul. Além disso, ele era dado como foragido do Presídio Regional, onde cumpria pena por roubo. De acordo com o titular da Defrec, delegado Emerson Wendt, os policiais já vinham monitorando os passos do acusado há pelo menos uma semana e esperando que ele fosse até o Bairro Navegantes para visitar sua família, o que ocorreu na noite de quarta-feira. “Só esperávamos a melhor hora para agir”, salientou. Xerife teria passado o final de semana no interior do município de Rio Pardo, na divisa com Cachoeira.
TEMPRA - A localização de um automóvel Tempra cinza, com placas de Bom Princípio, abandonado durante a tarde no Bairro Universitário, foi uma das pistas que levou a Polícia até Xerife. Segundo a Defrec, o carro, dado como furtado, teria sido utilizado num dos últimos assaltos praticados pelo acusado em Santa Cruz. Wendt explicou que a propriedade onde Edilson dos Santos foi capturado é de difícil acesso. Nos fundos há um terreno que estende-se até as proximidades do Lago Dourado. Para evitar a fuga, um grupo de PMs atravessou dois quilômetros em um mato para cercar toda a área. Xerife chegou a tentar se esconder em um lamaçal, mas depois de perceber que estava cercado, pediu a presença do delegado e acabou se entregando.

Para saber mais
A passagem de Xerife em Cachoeira
Com a prisão de Edilson dos Santos, o Xerife, ocorrida no início da noite de quarta-feira em Santa Cruz do Sul, a 2ª Delegacia de Polícia de Cachoeira encerrou seus dois casos de assaltos que ainda eram investigados.
O primeiro, ocorrido no dia 6 de setembro do ano passado no posto do Banrisul da zona norte da cidade, quando Edilson dos Santos, o Xerife, e Valdir Antônio Martinelli, o Polenta, teriam levado cerca de R$ 100 mil em dinheiro do banco, restava somente a prisão de Xerife para ser dado por concluído. Martinelli foi capturado em abril pela 3ª Delegacia de Polícia de Novo Hamburgo e está detido no Presídio Central em Porto Alegre.
O outro, ocorrido no início da tarde do dia 11 de dezembro no distrito industrial de Cachoeira, também culminou em mandado de prisão contra Xerife, já que a vítima e uma testemunha confirmaram que ele era um dos assaltantes. A filha do empresário Ilmo Pfüller, Ana Maria Pfüller, foi abordada quando saía da empresa em direção ao Centro. Ela teve a bolsa levada por Xerife e um outro homem, ainda não identificado, que usava uma toca para não ser identificado. Há duas semanas, investigadores santa-cruzenses localizaram na residência de Diniano Pollnow um talão de cheques de Ana Maria.
Duas semanas depois do assalto no distrito industrial, policiais civis e militares da região ficaram em alerta para a possibilidade de um assalto a banco em Cachoeira, Candelária ou Santa Cruz. Isso porque Xerife anunciou à Polícia santa-cruzense que daria trabalho nos próximos dias através de um grande assalto. Em uma seqüência de telefonemas, ele chegou até mesmo a ameaçar o então delegado regional Nilo Roig, de Santa Cruz. O alerta acabou tornando impossível uma ação de Xerife.
Entre estes crimes e a suposta tentativa, Xerife foi visto várias vezes na cidade, ficando hospedado em um hotel com nome falso.

Uma pergunta
Xerife já foi ouvido?

O delegado Emerson Wendt, da Defrec, encaminhou ontem à Justiça de Santa Cruz do Sul o pedido para colher o primeiro depoimento de Edilson dos Santos, detido no Presídio Regional. Em uma conversa informal enquanto era levado para a DP, na noite de quarta-feira, Xerife não assumiu a autoria de nenhum dos crimes onde aparece como autor ou cúmplice. “Ele me falou apenas que buscaria auxílio com um advogado para saber o que deve falar no depoimento”, informou Wendt. A expectativa é que o acusado entregue pelo menos parte de sua quadrilha e também outros crimes de sua autoria.

O motorista da quadrilha
A principal característica de Edilson dos Santos, o Xerife, é a de sempre atuar como o motorista da quadrilha, especialmente por ser gordo, o que dificultaria fugas e ações rápidas para se livrar da Polícia. É considerado um ótimo condutor, já que em seus mais de 20 assaltos onde ocupava o volante nunca foi alcançado pelos tiras. O titular da Delegacia de Furtos, Roubos e Capturas (Defrec), delegado Emerson Wendt, disse ao Jornal do Povo que Xerife era considerado o braço direito da organização em que atuava. “Ele tinha voz dentro da quadrilha”, destacou. Com a operação, Wendt acredita que abalou a estrutura de uma das mais fortes quadrilhas especializadas em assaltos a banco e estabelecimentos comerciais da região.
No dia 21 de agosto do ano passado, a Defrec anunciou os nomes de Xerife e Valdir Antônio Martinelli, o Polenta, como sendo responsáveis por nove assaltos a estabelecimentos de Santa Cruz do Sul. Eles cumpriam pena no Presídio Regional e teriam praticado os crimes durante o dia, voltando à cadeia normalmente à noite. Uma semana depois do anúncio, os dois desapareceram, possivelmente seguindo para Cachoeira do Sul, onde assaltaram o Banrisul no dia 6 de setembro. Começava aí a seqüência de mandados de prisão expedidos pela Justiça contra Xerife.

Volta »


Operação da BM pega apenas duas facas em três horas

Uma operação da Brigada Militar de Cachoeira realizada ontem através de uma determinação da Secretaria de Justiça e Segurança, válida para todos os municípios gaúchos, apreendeu apenas duas facas em mais de três horas de revistas. Policiais do GOE efetuaram barreiras na BR 153, nas proximidades do Horbach e nas RSs 503 e 409, sendo que nos dois últimos locais nenhuma irregularidade foi flagrada. O tenente Gelson Galvão observou que o frio reduziu muito o movimento de veículos na cidade. Os trabalhos foram até as 18h.

Volta »


Natação: SRB/Tonho disputa competição em Caxias

A Sociedade Rio Branco/Escola Tonho Natação disputa hoje e amanhã o Campeonato Estadual de Inverno do Interior, em Caxias do Sul. Nove nadadores estarão disputando um lugar no pódio.
Confirmaram presença Carolina Scarparo (50 metros costas, 50 metros livre e 50 metros peito), Pedro Castagnino (50m costas, 50m livre e 50m peito), Daniele Leusin (50m livre e 50m peito), Clarissa Scherer (50m costas, 50m livre e 100m livre), Paula Dias (50m costas e 50m livre), Michele Ortiz (50m costas, 50m livre e 100m livre), Jorge Franke (50m costas, 50m livre e 50m borboleta), Cássia Pelzer (50m costas, 50m livre, 50m borboleta e 100m livre) e Gustavo Carlos (50m costas, 50m livre e 50m peito). Daniele, Clarissa, Paula e Michele competirão ainda nos revezamentos 4x50 metros nado livre e 4x50 metros nado medley.
A delegação cachoeirense viaja hoje, às 13h. De acordo com o treinador Luiz Marcelo Benitez, a equipe vai a Caxias com esperança de conquistar bons resultados, pois o tempo de preparação foi bem maior e a competição será realizada em piscina de 25 metros. Benitez ressaltou que a delegação será composta ainda por 23 nadadores de Santa Maria. A meta é conquistar no mínimo o terceiro lugar por equipe.

Volta »


Guri Bom de Bola: João Neves e Borges decidem título hoje

João Neves da Fontoura e Borges de Medeiros decidem hoje pela manhã o título da etapa municipal do Guri Bom de Bola. A decisão iniciará às 10h, no 13º Grupo de Artilharia de Campanha.
O Borges ficou com a vaga na final ao vencer o Nossa Senhora da Conceição por 5 a 1 e ao empatar em 1 a 1 com o Roque, que conquistou a fase municipal no ano passado. Já o João Neves da Fontoura, vice em 2000, ficou em primeiro lugar com vitórias sobre o Rio Jacuí (3 a 0) e Imaculada Conceição (2 a 0). O Rio Jacuí venceu o Imaculada por 1 a 0 e decidirá a medalha de bronze contra o Conceição, que venceu o Roque por 2 a 1. A decisão do terceiro lugar iniciará às 9h30min.

Volta »


3ª Olimpíada Estudantil JP/Sesc/Unimed: Vale o ouro no fraldinha

Seis escolas iniciam hoje à tarde a disputa pela medalha de ouro do torneio fraldinha masculino da 3ª Olimpíada Estudantil Jornal do Povo/Serviço Social do Comércio. Os jogos, a partir das 14h, ocorrerão no ginásio da Escola Estadual Rio Jacuí. As fases semifinal e final serão disputadas amanhã, a partir das 9h, também no Rio Jacuí.
O grupo A reunirá Ciep/Acacolgás, Rio Jacuí e Imaculada Conceição. No B, estão Cândida Fortes Brandão, Roque Gonçalves e Nossa Senhora da Conceição. O primeiro jogo do dia será entre Ciep e Rio Jacuí. As duas melhores equipes de cada grupo garantem classificação à semifinal.
O torneio marcará o encerramento dos jogos masculinos de futsal desta temporada. As equipes jogarão com meninos entre sete e oito anos de idade e a maioria pela primeira vez terá a oportunidade de participar de competições valendo pontos para as suas escolas.
LIDERANÇA - O João Neves da Fontoura atual líder dos jogos escolares, com 94 pontos, não irá participar do torneio e poderá perder o primeiro lugar na tabela de classificação. Pode ser superado pelo Ciep/Acacolgás, campeão da 2ª Olimpíada Estudantil, e pelo Roque, que ergueu a taça na primeira edição dos jogos escolares. Com 82 pontos, o Ciep poderá chegar a 102 se conquistar a medalha de ouro. Já o Roque soma 76 pontos, podendo subir para 96 se for o campeão no fraldinha.

Volta »


Fórmula 1: Hakkinen é peça-chave no mercado de pilotos

Os candidatos a uma vaga na McLaren aguardam ansiosamente por uma definição do futuro de Mika Hakkinen. O finlandês, que faz uma campanha apagada nesta temporada depois de disputar ponto a ponto os últimos três títulos mundiais de Fórmula 1 - tendo vencido dois, em 1998 e 1999 -, ainda não sabe se fica no time no ano que vem nem se continua a correr.
Mas, mesmo com seus míseros oito pontos no atual campeonato, contra 40 de seu companheiro David Coulthard, Hakkinen ainda tem boas chances de ficar mais um ano no time. Isso a julgar pelo que se especula em Nürburgring, onde domingo acontece a nona etapa do mundial: a McLaren poderia anunciar a renovação da dupla para 2002. Se isso acontecer, a equipe vai para a sétima temporada seguida com os mesmos pilotos.
A torcida para que o time prateado dispense Hakkinen, porém, é grande. Há uma fila de pilotos ávidos pelo lugar, como Olivier Panis, que foi test-driver da McLaren no ano passado, Jacques Villeneuve, Alexander Wurz, Nick Heidfeld, que agrada à Mercedes, Jenson Button, que não agüenta mais a Benetton, e até Ricardo Zonta, que também tem bom conceito junto à fábrica alemã e já trabalhou na equipe em 1998.
Quem também pode ter um novo contrato anunciado neste final de semana na Alemanha é Ralf Schumacher, que já disse que pretende ficar na Williams. A equipe também não tem motivo nenhum para abrir mão de seu passe. Ralf já venceu duas corridas neste ano, em Ímola e Montreal, o suficiente para colocá-lo no reduzido grupo de pilotos de ponta da categoria. Seu irmão Michael Schumacher, no início da semana, chegou a afirmar que o caçula é o piloto com perfil mais próximo para ser seu sucessor na F-1.

Volta »


Segundona: Cachoeira indefinido

Os recém-contratados Jorjão e Rondinha foram os destaques do Cachoeira no coletivo de ontem à tarde no Charqueadão. Rondinha marcou um gol e Jorjão os outros dois na vitória dos titulares por 3 a 1 sobre os reservas. Rafael fez o gol do time reserva.
O coletivo serviu para o técnico José Henrique Veiga confirmar os dois ex-jogadores do Lajeadense na equipe que enfrentará o Carazinhense, domingo, às 15h30min, no Estádio Joaquim Vidal, pela sexta rodada da Série C do Campeonato Gaúcho.
Porém, o treinamento também deixou Veiga com dúvidas para definir a melhor formação visando os três pontos domingo. Com Rondinha no meio-campo, o time titular perdeu força na marcação. No coletivo de hoje, Veiga poderá passar Rondinha para o ataque, ao lado de Jorjão. Desta forma, sobraria uma vaga no meio-campo, que seria disputada por Fábio e Rafael. "Vamos ver como os jogadores se comportarão no coletivo de amanhã (hoje)", disse Veiga.
Ontem, a equipe titular formou com Aldo; Ivan, Claudiomar, Toco e Cleber; Bi, Bosi, Aquiles e Rondinha; Magno e Jorjão.
A direção do Cachoeira deverá encaminhar hoje a documentação de Jorjão e Rondinha para a Federação Gaúcha de Futebol. Jorjão, com 31 ano, disse estar pronto para estrear domingo para buscar a primeira vitória com a camiseta alvi-rubra.
Já Rondinha, aos 27 anos, pela primeira vez disputará a Segundona. Ele tem passagens pelo Passo Fundo, Palmeirense, Aimoré, Lajeadense e Gil Vicente de Portugal. O jogador mostrou estar bem fisicamente e apenas espera pela definição de Veiga se jogará no meio-campo ou no ataque.

Volta »

JORNAL DO POVO LTDA.
Rua 7 de Setembro, 1015 - Fone (51) 722-1919
Fax (51) 722-7501 - CEP 96.508-011

Cachoeira do Sul - Rio Grande do Sul - Brasil
Email: jp@jornaldopovo.com.br

© Copyright Jornal do Povo. Todos os direitos reservados. Powered by DieHarDbgg