Adicionar aos Favoritos   Sua Página Inicial

   Colunas

Bom Dia, Leitor

O Piratini
Três anos de Olívio Dutra no Governo do Rio Grande do Sul ainda não foram suficientes para consolidar o nome do governador petista em Cachoeira, um dos poucos redutos eleitorais de peso no estado onde o PT perdeu as eleições de 1998, como um líder de capacidade inegável. Três anos fora do Piratini não serviram, também, para apagar a popularidade de Antônio Britto, governador entre 1995 e 1998, na cidade.
Este quadro está sendo apresentado nesta edição pela nova rodada de pesquisa da Empresa Dados - Estatística e Pesquisa. A coleta foi realizada com exclusividade para Jornal do Povo, na última semana.
A memória popular traz bem presente a série de obras do Governo Britto em Cachoeira, como as estradas de Ferreira e Três Vendas e a conclusão do hoje renegado Porto de Cachoeira. Além disso, há uma ligação entre o nome do ex-governador com José Otávio Germano, cachoeirense que trouxe uma série de recursos para a cidade e região durante sua gestão como secretário dos Transportes do Estado, e Britto. A pesquisa também traz outras conclusões interessantes. Boa leitura.

A semana
Quem Subiu

Diocese - Completou 10 anos de criação e 20 anos do sucesso de uma idéia
Sindicato Rural - Garantiu para Cachoeira do Sul a sede do leilão de 2001 da Catanduva
Geguton - Comprou máquina de meio milhão para o seu novo parque fabril
Quem desceu
Pipa Germanos - Perdeu popularidade, ganhando nota 5,42 da população na pesquisa da Dados
Emancipação do Piquiri - As maiores empresas da localidade não querem se separar de Cachoeira
Segurança - O Conselho Tutelar quase não pode trabalhar de porta aberta.

jp@jornaldopovo.com.br

O rótulo dos transgênicos
A reação ao Decreto Federal 3.871, que exige a rotulagem de alimentos transgênicos, foi muito ruim, porque restringe a obrigação só aos que contenham mais de 4% na composição. “O decreto é um engodo, uma fraude e fere o Código de Defesa do Consumidor”, reclamou Marilena Lazzarini, presidenta do Instituto de Defesa do Consumidor de São Paulo, porque este percentual elimina a maioria dos produtos com ingredientes transgênicos. Ela citou a propósito dois testes recentes. No primeiro, neste ano, só dois dos 26 produtos seriam rotulados segundo o decreto. No segundo, do ano passado, 29% dos 31 produtos testados continham transgênicos, mas só em dois produtos o teor superava os 4%. Em Porto Alegre, a reação contrária partiu do deputado Elvino Bohn Gass e da vereadora Helena Bonumá, que fizeram sexta à tarde um protesto formal na sede do Procon, pedindo providências ao coordenador executivo Ben-Hur Rava.

Venda de carne para a Europa
O Governo gaúcho acredita que poderá retomar a exportação de carne para a Europa em setembro, comentou sexta-feira em São Paulo o comissário europeu para saúde e proteção ao consumidor da União Européia, David Byrne. O embargo, feito em 15 de maio, estava vinculado ao final da campanha de vacinação, que terminou esta semana. Mas, antes da retomada das exportações, o Comitê Veterinário Permanente (CVP) da UE deverá receber informações do Brasil sobre a situação ou enviar uma missão para a região.

Racionamento, juros e dólar
Este não vai ser o ano dos eletrodomésticos, vítimas do racionamento de energia e da alta dos juros e do dólar. Tanto que a entidade dos fabricantes, a Eletros, já revisou a projeção de seu crescimento de 6% para 2%. O aumento do dólar gerou uma alta de 10% nos custos das empresas no primeiro semestre, devido às importações de insumos, como os cinescópios de TV acima de 20 polegadas. E a recente alta de 0,75 ponto no juro deve reduzir as vendas de televisores em 18.750 unidades, porque cada ponto percentual de aumento reduz a venda em 25 mil.

Novo formato para sociedade
A sociedade mundial do futuro terá novo formato, exemplificado no Fórum Social Mundial de Porto Alegre, opinou sexta na Unisinos o secretário executivo da Associação das Universidades Confiadas à Companhia de Jesus na América Latina, o padre jesuíta espanhol e economista Xabier Gorostiaga, ex-assessor do Governo do Panamá nas negociações com os EUA para a devolução do canal. Na sua avaliação, iniciou-se aqui um consenso de revitalização das políticas públicas, mas é necessário orientá-lo. O protesto deve se transformar em proposta.

Banrisul e a eletrificação rural

O Banrisul aprovou um financiamento no valor de R$ 11,4 milhões a sete cooperativas gaúchas de eletrificação através de repasse do BNDES, que realizarão obras de reforço e de modernização junto às suas redes: Fontoura Xavier, Teutônia, Taquarí, Viamão, Erechim, Bagé e Ibirubá. Elas atendem a mais de 100 mil consumidores, que poderão pagar os empréstimos em até oito anos com juros reduzidos para 4% mais TJLP.

aritter@ez-poa.com.br


Crônica

Lagrimar é preciso!
A lágrima é o sentimento materializado em gotas. Chorar é banhar a alma, lavar o espírito. Exclusivamente humano, deitar lágrimas é um ato de caridade para com o próprio corpo, organismo vivo e psíquico que nos cerca a vida inteira e que anseia por se expressar.
A dificuldade de chorar pode se instalar por conta da vergonha de se mostrar, causada possivelmente pela postura parental, do tipo que não tolera uma gotícula sequer de lágrima nos olhos de um filho (principalmente no caso masculino), chegando ao ponto de recriminá-lo.
Desnudar o lado mais frágil, ferido e carcomido pelos acontecimentos da vida não é fácil. Deixar o orgulho de lado e entregar-se humildemente à pena que sentimos de nós mesmos, vez por outra, é uma atitude que exige coragem, principalmente se for diante de uma outra pessoa.
Quando a coragem de chorar não vem, a tristeza não desaparece. Simplesmente é dado a ela outro rumo que não o das lágrimas. A tristeza se instala em forma de angústia no próprio ser que lhe negou passagem, tendo que, por isso, dar-lhe a hospedagem por tempo indeterminado.
Na verdade, o que acontece é que o sentimento que provoca dor, quando reprimido, vai direto para o inconsciente, ficando na consciência apenas o fato em si, ou seja, a pessoa sabe que passou por algum problema, fala dele, mas não permite que a emoção apareça. São estas as pessoas consideradas fortes pelos outros que as vêem agir assim. É como se a emoção ligada à idéia dolorosa fosse dela separada, ficando uma num canto e outra noutro, ao invés de seguirem juntas pelos dutos lacrimais.
Caso a pessoa não tenha a sorte de um dia poder dar adeus à tristeza, ela continuará no corpo e no espírito, gastando as energias para manter-se calada. Sim, porque ela fica se debatendo e, enquanto não conseguir sair, tentará de todas as maneiras que há. Enquanto isso, a concentração para as outras coisas diminui.
Embora eu não seja contra medicação para aqueles que realmente precisam, chorar traz um alívio natural e imediato!
Todo mundo sabe que é bom chorar, dá para sentir o alívio de um calmante logo depois de uma boa sessão de lágrimas multiplicadas. E nós devemos aprender a respeitar o ser que chora, tanto em nós mesmos como em outrem. Trata-se de um exercício que deve ser cultivado. Como uma planta que precisa de água para viver, o nosso psiquismo precisa das lágrimas para se refazer dos sustos da vida (foi comprovado que a lágrima contém substâncias estressantes que são eliminadas através do choro).
Pois bem, então eu pergunto: por que tanta gente neste mundo, quando se depara com alguém que chora, vai logo dizendo “não chora!”, simplesmente porque é difícil - mas não impossível - lidar com a situação de pesar, seja nossa, seja vossa? Não é preciso dizer uma palavra nem ficar extremamente penalizado com o choro de quem queremos bem, basta que se faça aquele silêncio amigo e companheiro, respeitador da necessidades do outro.
Mesmo que levemente engraçada, e não é à toa, achei muito bonita a frase de Nelson Rodrigues, que diz: “Muitas vezes já tive ânsia de sentar no meio-fio e chorar lágrimas de esguicho”.

Dóris Abreu Valença - Psicóloga e professora da Escola Profissional de Saúde


Do leitor

BR 290
Oportuna a reportagem "BR 290 não é de ninguém" (JP de 18/7). Situação semelhante de escuridão vivenciamos aqui na Vila Piquiri, agravada pela precária sinalização e falta de acesso decente. A nossa localidade tem características urbanas nos dois lados da estrada, o que agrava o constante perigo enfrentado pelos moradores. Será que as autoridades estão aguardando uma tragédia no local para despertar e, então, providenciar melhor condição de trânsito para pedestres e automóveis?
Alberto Beskow
albeskow@uol.com.br

Poesia
Pela primeira vez participei do Prêmio Paulo Salzano de Poemas, e foi muito gratificante receber a premiação de terceiro lugar. Foi lindo ouvir as poesias declamadas pela Magali e pela Vera. E eu, que gosto tanto de escrever, quanto de falar, fiquei tão emocionada que nem consegui ler a "Miséria", deixando a tarefa para a minha amiga Neila Santos. Criar poemas é criar emoções (não importando o tema), pois elas sempre estarão presentes em cada verso, porque em todos eles colocamos o nosso coração. Outro aspecto gratificante foram os temas sociais, que fizeram parte de muitas outras poesias, o que nos leva a pensar que as pessoas estão realmente preocupadas com seus semelhantes, com suas carências e suas duras desigualdades. Mas sonho com o dia em que o mundo será menos perverso, e que a miséria não seja mais tema de nada e que possamos escrever novamente só sobre a beleza das flores e dos encantos dos amores.
Evanir Jacobi

Pipa
O prefeito Pipa Germanos caiu em popularidade (JP de 17/7) porque só se preocupa em fazer política, está ausente de Cachoeira, se mudou para a Famurs e só sabe fazer a política própria. Porque a secretaria mais importante, que é a de Obras, está abandonada, a Prefeitura não tem crédito para arrumar as máquinas quebradas. E assim não faz os serviços pedidos há meses pelos contribuintes, como um alargamento da Rua Jacinto Godoy Gomes. O povo não quer saber de desculpas, só resultados em trabalho, e não colocou o prefeito lá só para dar desculpas, tem que ter competência e resolver os problemas. Além de tudo isso, ainda fala em colocar dinheiro em pista de skate para os filhinhos de papai do Centro, sem contar que estamos esperando empresas para Cachoeira, ou no mínimo a iniciativa de trazer uma empresa que intermedeie esta inabilidade do prefeito.
Carlos Alberto Fontoura Luiz

Asfalto
O prefeito Pipa Germanos nos prometeu em sua campanha política asfalto nas principais ruas da cidade de Cachoeira do Sul, como também nas vias de acesso às mesmas. Realmente ouve a construção muito rápida destas obras, porém com qual padrão de qualidade não lhes saberia afirmar. Basta darmos uma simples passada pela faixa no sentido Posto do Loló-quartel e poder escolher o menor buraco para evitar um dano maior ao veículo. Outro lamentável exemplo a ser citado é a Ponte do Fandango, com buracos que tendem a aumentar cada vez mais, arriscando a segurança daqueles que necessitam passar por lá. Existem ainda ruas com péssima condição à circulação de veículos, ou mesmo com parte da pavimentação afundada. Gostaria de citar a Rua Viriatto Viana, muito utilizada pelos moradores do Bairro Fátima, pois é ela que permite o acesso Centro-bairro, sendo ainda a rua de acesso em melhor estado. Por vezes esta rua já foi patrolada, mas com as freqüentes chuvas de inverno os buracos voltam a se formar, resultado dos desvios das águas da chuva do quartel e Avenida João Neves da Fontoura. Seria realmente esta a proposta de nosso atual prefeito, quando se referia a uma cidade mais e melhor pavimentada, ou então gerar empregos nas oficinas de automóveis, trocando com maior freqüência os jogos de amortecedores de nossos automóveis?
Partinobre Brito Freitas
necobrito@uol.com.br


H do dia

Desemprego
Um dia inteiro preenchendo fichas e ouvindo não desestimula qualquer pessoa. Mesmo com pouco dinheiro e falta de perspectivas, não hesite em divertir-se. Há muitas atividades gratuitas que você pode começar a fazer: aproveite para ler os livros que têm em casa ou comece a freqüentar a Biblioteca Pública, informe-se sobre cursos, palestras e seminários gratuitos que ocorrem na sua cidade, passeie pelas praças e freqüente programas culturais.


Marcelo Drescher
Engenheiro-agrônomo

Sexo às oito
A teoria da “influência psicossocial da televisão” prediz que o povo constitui-se num bando de idiotas aguardando a novela das oito para saber o que fazer amanhã. Apesar de dura, a afirmação não se constitui em inverdade, pois é notório o poder de persuasão das emissoras de televisão, principalmente nas classes menos abastadas ou detentoras de menor cultura. Esta notável capacidade de convencimento não se constituiria em problema se não fosse a tendência, observada ultimamente, de proclamarem, com belas e apetitosas atrizes, a prostituição em horário nobre. Sempre revestidas de um cenário róseo, as cenas de sexo dominam o conteúdo das novelas. Talvez a televisão, como instrumento de comunicação em massa, esteja cumprindo um papel histórico de preservação e estímulo à mais antiga e universal profissão da mulher (por favor, leitoras, não me entendam como machista).
As primeiras notícias de prostituição remetem-nos à religião, onde, na Babilônia, as sacerdotisas detinham o privilégio da ocupação, promovendo ritos orgiásticos. Na Grécia antiga, a prostituição recebeu foros legais, tornando-se profissão regulamentada. Sólon, grande legislador grego, cria as casas de prostituição (dicteria) como monopólio do Estado. Foi além, criou trajes especiais para o ofício e restrições à presença das dadivosas moças em alguns locais públicos. Já os romanos encaravam a coisa com altos e baixos, ora estimulavam a “doação” do corpo, ora exaltavam a família e as virtudes femininas como a honra, a fidelidade e a virgindade.
E assim vai pelos tempos afora. Nos últimos 2.000 anos, as prostitutas têm sido perseguidas, agredidas, apiedadas, engrandecidas, compreendidas e, principalmente, amadas no seu ofício. Penoso para umas, prazeroso para outras. O certo é que sempre terá alguém a fim de dar ou receber prazer, por preços de mercado, é lógico. Enquanto isto, os empregados do senhor Roberto Marinho entram “de sola” nesta, apostando todas as fichas no sexo. Absurdo, apelação ou exigência dos espectadores? Há quem diga, e com razão: quem se sentir ofendido, que deixe de ser hipócrita e desligue a televisão ou sintonize a TV Educativa.

mdrescher@uol.com.br

O distraído
Impressionam ao visitante as tecnologias presentes nos mais diversos controles dos parques da Disney World. Desde a venda de ingressos, o controle da entrada das pessoas, o funcionamento dos brinquedos e demais atrações, tudo é feito a partir de uma central de computadores instalada no subsolo do parque, onde não afeta a paisagem, que é extremamente clean, limpa, clara. A segurança dos brinquedos é quase total, muito raramente alguma pessoa feriu-se, pois a prevenção é rígida. O monitoramento e vigilância contra pessoas inconvenientes são feitos através de circuito fechado de televisão e por agentes especializados que circulam de forma anônima entre os visitantes, à paisana. Qualquer aglomeração de gente em torno de algum visitante ilustre ou famoso é imediatamente coibida, a fim de evitar que possa ser de alguma forma desmerecido ou rivalizado o brilho dos personagens Disney, que devem reinar soberanos em seus domínios. Além de tudo, o policiamento é sempre extremamente discreto, para não causar qualquer espécie de estresse aos visitantes, que acabam por sentir-se naturalmente seguros em um local de pura fantasia e harmonia entre todos. As lixeiras, existentes em grande número, são o local preferido para a instalação das câmeras do circuito fechado de TV.
Aparelho eletrônico em lata de lixo me faz lembrar fato ocorrido no último verão com um amigo meu, por deveras distraído. Ele estava em sua casa na praia e preparava-se para retornar a Cachoeira. Arrumou as malas, recolheu o celular, bateria reserva, carregador, colocou em uma sacola de supermercado sobre a mesa. Recolheu a comida que ainda restava, enlatados, frutas, colocou em outra sacola idêntica. O que não se poderia aproveitar foi descartado em uma terceira sacola, que seria deixada no lixo. Na hora de partir, parece que seguindo a lei de Murphi que diz que “se algo tem a mínima chance de dar errado, dará errado”, meu amigo confundiu as sacolas e jogou no latão de lixo da rua a sacola que continha o celular, o carregador, a bateria reserva, e trouxe consigo o lixo. Chegando em Cachoeira, deu falta do celular. "Perdi ou onde terei deixado?". Ao encontrar a sacola do lixo na bagagem, percebeu o que ocorrera. A esposa de imediato passou a ligar para o aparelho perdido. Na terceira tentativa alguém atendeu, imaginem com que espanto:
- Eu vinha passando quando ouvi a campainha de um celular vindo da lixeira. Olhei dentro, encontrei uma sacola de supermercado, que abri. Peguei o aparelho e resolvi atender...
- Por favor, foi meu marido, que se enganou e jogou fora o celular. Devolva no prédio em frente, no apartamento 212, que meu filho lhe dará uma gratificação. E assim o sortudo ainda conseguiu recuperar seu celular.

sanmartin@netcentro.com.br

As olimpíadas na China
Vivendo o tormento da nossa Seleção Brasileira de Futebol, que, mesmo com o Felipão, não estava conseguindo impor-se aos adversários, ao abrir uma das páginas da revista Veja, a foto colorida de um estádio me chamou a atenção e imaginei ser algum comentário do tipo que o Brasil não é mais o mesmo, que estamos a perigo de ir à Copa do Mundo, que depois das falcatruas na CBF os dirigentes perderam o respeito, etc... Ao deter-me um pouco mais na fotografia, vi um policial em ação, o que me levou a pensar que poderia ser uma alusão aos tempos em que eclodiu a sangrenta ditadura de Pinochet, quando o Estádio Nacional de Santiago serviu para as primeiras torturas dos contrários ao regime. Enganei-me!
A matéria aludida dizia respeito à China, ou melhor, ao chamado “julgamento-schow” que se processa naquele país populoso, onde cidadãos condenados por determinados crimes são executados com um tiro na nuca, sob os olhares complacentes de milhares de chineses, numa agressão a todo tipo de direito humano e numa demonstração de barbárie que ainda prevalece em alguns povos ditos civilizados.
Os números que a reportagem trazia são assustadores: no ano 2000, 1.000 das 1.457 execuções nos 86 países que adotam a pena de morte ocorreram na China; em abril e maio de 2001 já executaram 480 pessoas; 18.194 chineses já foram executados com tiro na nuca; no Dia Internacional de Combate às Drogas, 57 narcotraficantes foram executados.
Talvez algumas pessoas – e não serão poucas neste nosso país inseguro – até poderão achar que seria um mecanismo favorável para reduzir a criminalidade, eliminando fisicamente bandidos que causam tanto mal à sociedade, sendo aqueles envolvidos no tráfico de drogas, quem sabe, os mais indicados. Os resultados, entretanto, comprovam que esta forma de fazer justiça, além de não alterar em muito a situação, impede a revisão de algum erro porventura cometido antes do julgamento, dentre outras conseqüências.
Uma outra questão trazida, dando a real dimensão da pouca valia dada ao ser humano, embora delinqüente, é o comércio de órgãos retirados dos corpos ainda agonizantes daqueles miseráveis, com a cumplicidade do Governo e das autoridades de saúde. Hoje, em função dessa “facilidade”, a China já se apresenta como o país em que o transplante de qualquer órgão, a peso de altas somas em dinheiro, tornou-se um fato corriqueiro.
Apesar de tudo isto, e mesmo com as denúncias feitas pelas comissões de defesa dos direitos humanos em todo o mundo, a China sediará as Olimpíadas de 2008, uma festa que tem por objetivo principal o congraçamento entre os povos e, principalmente, o culto à paz. Que bela ironia, pois no mesmo local em que soldados de luvas brancas conduzem homens para a morte, também conduzirão a bandeira da paz. Se as suas luvas mancham-se de sangue após as execuções, a bandeira das olimpíadas já foi manchada a partir da decisão do Comitê Olímpico Internacional.

À moda do Chulipa
Cachoeira foi limitada pelo contorno do Rio Jacuí e suas sangas. Estas interromperam e cortaram ruas e não permitiram um traçado simétrico no nosso urbanismo. Se as margens de um rio são propriedade da Marinha Brasileira, com as sangas deve ocorrer o mesmo problema fundiário. Portanto, todas as ruas e casas construídas em cima de antigos córregos de água podem sofrer análise tributária discutível por parte do Governo. Quem pagará o asfalto da rua que submergiu em cima da Micaela e da Inês ou então como avaliar e analisar a tributação e o direito à propriedade de quem concedeu-se como donatário de um bem público? Sugiro que a profundidade, a largura e a vazão por metro cúbico de água que corre em direção ao Jacuí sejam consideradas e relevantes. Por sinal, a umidade em Cachoeira é tão grande, advinda das águas submersas, que, ao contrário da cachoeira do Fandango, que só é sentida como figurante na paisagem, o nome da cidade deveria ter sido Sangas do Sul.
Falando em água, me lembrei do Rio Moldava lá em Praga, com suas margens urbanizadas e com a Ponte Carlos, esculturada com santos barrocos e aberta aos pedestres, permitindo o contato da população com o rio e com o castelo na outra margem. Praga, que permanece intocável e estranha, para não dizer misteriosa. Poucas cidades possuem mais mistérios do que Praga. Talvez seja culpa do Kafka, do seu isolamento no período comunista, das suas primaveras revolucionárias caladas pela força opressora, das suas lindas mulheres altas e loiras, mas principalmente pela sua umidade e pela língua na qual “cidade velha” se chama staré mesto e, no mais, não se entende absolutamente niente. Viajar a Praga é um curso de mímica, e com direito a mestrado.
Mas, se a ocorrência de sangas nos limitou, qual o motivo para a assimetria de nossas quadras, quando o próprio basquete consegue ser jogado em rigorosas metragens de espaço? Mas o basquete tem me traído, meus joelhos limitam-se ao tempo implacável que impedem o ato do salto no ar antes de mergulhar. E a quadra necessita cada vez mais diminuir no tamanho e aumentar na oxigenação. Por isto venho ouvindo cada vez mais e me dedicando aos amigos com mais de 70 anos. Pelo menos eles ainda me chamam de guri.

eflorence@uol.com.br

À moda do Florence
Nas manhãs de inverno, cerração baixa, a Rua 7, deserta e triste, parece uma strasse berlinense do lado oriental, antes ou depois da queda do muro, pouco importa. E, como tudo precisa de trilha sonora, como diz um amigo, quem sabe o "Prelúdio do Lohengrin", de Wagner, seria apropriado para musicar minha volta a casa, depois do plantão, que, na verdade, não foi agitado. Só que flagraram-me pegando biscoitinhos de um paciente de dieta liberada e que acreditei estar dormindo: "Pode levar mais, doutor...". Vergonha total...
Talvez não seja a cerração que me deprime, nem a descoberta do inocente furto, mas o perigo que a Saúde anda correndo em Cachoeira, de desandar o que se conquistou até agora, em razão de prioridades malcolocadas, ou coisa que o valha, o que vem dar tudo na mesma. Mas há também boas novas. A Lúcia de Lima começou a preparar nova Feira do Livro, a Denise Blaya conquistou um belo prêmio conferido pela Sociedade de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, o Salão de Artes no Engenho Roesch mostra que o Caminho dos Trilhos, da Luciane Boeiro, pode ser uma grata realidade. E quanto a mim, em particular, já que a sucursal de Paris me foi terminantemente negada, está quase garantido o regresso para as quintas-feiras, junto com o Chulipa e o Ivan. Demos cabal demonstração de podermos clonar as colunas uns dos outros, de modo a substituirmos aquele que fizer forfait, o que dificilmente ocorre, mas, em todo caso, pode acontecer. Apesar dos títulos explicativos, houve quem acreditasse que na segunda-feira, 9 de julho, fora mesmo o Chulipa o autor da coluna, enquanto quinta-feira passada o Ivan ocupara duplamente os espaços. Não posso afirmar que a foto em outro local da página seja prova da decisão, mas o sorriso do Liberato demonstra plena receptividade aos argumentos a favor da volta...

py3idt@uol.com.br

O estatuto das cidades
Depois de tramitar por longo tempo no Congresso Nacional, a lei denominada Estatuto das Cidades foi aprovada e sancionada pelo presidente da República na semana passada. Este instrumento legal municiará os prefeitos com um arsenal de armas de política urbana inéditas, que permitirão mudar a face das cidades brasileiras. Dentre os novos dispositivos previstos nesse documento salienta-se o IPTU progressivo no tempo para os terrenos que não cumpram a sua “função social”. Determinadas áreas baldias de uma cidade, que entravam o seu crescimento, poderão ter suas alíquotas majoradas, fixadas hoje na média de 1%, em até 15% ao ano, com o intento de coibir a retenção de terrenos vazios, assim mantidos por intuitos especulativos.
O assunto traz no seu bojo muita polêmica. Alguns tributaristas contestam, alegando inconstitucionalidade, já que a progressividade só se prestaria para tributos reais (como o imposto de renda), mas não para os reais. Outros afirmam que a Constituição prevê sanções para este tipo de terreno, justificando as altas alíquotas pelo fato de serem punitivas.
De qualquer forma, o Estatuto das Cidades tem formatação genérica, cabendo às respectivas câmaras municipais fazer a sua regulamentação local e, principalmente, definir a função social da propriedade. Em que pese alguns temas passíveis de discussão e interpretação, a nova lei traz matérias que poderão ser muito úteis para a melhoria da qualidade de vida nas cidades, como, por exemplo, a obrigatoriedade da instituição de um plano diretor nas que tiverem mais de 20 mil habitantes e o parcelamento compulsório de áreas sem utilização inseridas na malha urbana.
No entanto, a principal alteração, em termos práticos, com efeitos diretos para a população de baixa renda, será a concessão do usucapião especial para fins de moradia, permitindo a regularização da posse de áreas públicas ocupadas há mais de cinco anos sem contestação na Justiça. No caso de Cachoeira, leia-se as ocupações sobre o antigo leito da Viação Férrea. Outra modificação importante será a exigência de um estudo de impacto de vizinhança para a concessão de licenças de construção.
Discutível ou não, o certo é que o Estatuto das Cidades veio para ficar. Com ele, uma nova leitura do direito absoluto da propriedade, que passará a ser condicionado pela legislação urbana e regras ambientais.

chulipa@pro.via-rs.com.br

Pipa recebe os bairros
Os presidentes das associações de moradores dos bairros de Cachoeira do Sul têm uma audiência marcada para as 9h30min deste sábado com o prefeito municipal PIPA GERMANOS, na Prefeitura. Os líderes deverão levar as suas reivindicações por escrito e poderão discutir com o prefeito soluções para os principais problemas das comunidades. O encontro foi agendado por Prefeitura Municipal e União Cachoeirense das Associações de Bairros (Ucab).

Boa notícia
O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente realiza no próximo dia 17 a II Conferência Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente. O evento acontece a partir das 8h30min, na Câmara Municipal, tendo como tema “Criança, adolescente e violência”.

Banco de dados
Aposentados
* 5,5 milhões de brasileiros continuam trabalhando depois de se aposentar. Isso significa que um em cada quatro inativos permanece batendo ponto
* Entre 1996 e 1999, a população de aposentados a procura de emprego cresceu 53,2%. No mesmo período, o pacote de benefícios previdenciários concedidos no país aumentou 10,3%
* 6 em cada 10 trabalhadores brasileiros - ou 38 milhões de pessoas - não têm direito à Previdência pelo INSS, enquanto outras 7,9 milhões de pessoas chegam lá com proventos de apenas um salário mínimo

Do leitor
leitora Vânia Barcelos (hypnotycpoison@ig.com.br) está indignada com o serviço de entrega da conta de luz. Ela teve seu cão atacado por um spray jogado, segundo ela supõe, pelo entregador da conta. O funcionário, relata ela, “bateu em retirada como se não houvesse feito nada. Saí correndo atrás do irresponsável e perguntei se teria sido ele quem fez aquilo, mas ele negou. Perguntei à AES Sul se este era o procedimento e fui informada de que o produto está em poder dos entregadores de faturas, porém não deve ser usado em qualquer animal, mas apenas quando tratar-se de casos em que possam haver riscos contra a integridade física do trabalhador”. Vânia relata que seu cão é de pequeno porte.

Boa notícia de Edson Silva
1.
O secretário de Obras do Governo do Estado, Edson Silva, ligou nesta sexta-feira ao Jornal do Povo para anunciar que a Barragem do Capané será contemplada com os estudos feitos para identificar a viabilidade econômica, técnica e social da bacia hidrográfica de Cachoeira do Sul. Na mesma amanhã o prefeito Pipa Germanos, o secretário municipal de Agricultura José Derli Mourales e a diretoria da Associação dos Usuários da Barragem do Capané estiveram reunidos com Silva para pedir a aplicação de R$ 1,2 milhão (existente para estudar e projetar duas barragens na região, a Capané e a Capanezinho), em estudos mais amplos em toda a bacia hidrográfica.
2. A confirmação do secretário, de que as avaliações serão em todo o conjunto de recursos hídricos da região, agradou os cachoeirenses. A reivindicação maior é para que seja feito um levantamento das condições da taipa da Barragem do Capané, que segundo informações não confirmadas estaria comprometida. Nesta terça-feira o secretário Edson Silva se reúne com o presidente do Comitê da Bacia Hidrográfica do Jacuí, professor Fernando Bernál, para detalhar a forma de estudos que serão realizados.

Faxina
Segue a faxina ética no Congresso e a bola da vez, o presidente do Senado Jader Barbalho, do PMDB, anunciou sexta-feira seu pedido de licença por 60 dias da presidência. O senador deve preparar sua defesa nas acusações de desvios de verbas do Banpará, da extinta Sudam e da emissão irregular de títulos da dívida agrária. No seu lugar assumirá Edison Lobão (PFL). O senador será julgado no STF. Já o pedido de investigação, feito pela oposição, será enviado ao conselho de ética. Daí pode sair a cassação do senador, se ele não renunciar para manter-se elegível.

www
Dicionário alternativo que circula na net:

Pressupor - colocar preço em alguma coisa.
Missão - culto religioso de três horas de duração.
Padrão - padre alto.
Estouro - boi que mudou de sexo.
Ministério - aparelho de som de dimensão reduzida.
Desviado - uma dezena de homossexuais.
Entreguei - estar cercado de homossexuais.
Barganhar - receber um botequim de herança.
Halogênio - cumprimento a pessoas muito inteligentes.
Tripulante - especialista em salto triplo.
Contribuir - ir para algum lugar com os índios.
Aspirado - carta de baralho maluca.
Volátil - avisar ao tio que você vai lá.
Determine - prender a namorada de Mickey.
Violentamente - viu com lentidão.
Diabetes - as dançarinas do diabo.

Agenda
O Conselho Municipal de Saúde realiza nesta segunda-feira reunião ordinária do mês no Bairro Promorar, a partir das 20h, no Centro Comunitário Sagrado Coração de Jesus. A presidente do bairro, Jurema da Silva, pede que os moradores levem suas reclamações referentes aos atendimentos da unidade sanitária que fica no local.

Baú do Guidugui
1.
Onde está sendo construído o supermercado Imec morava Olímpio Botlender, funcionário da via férrea. Sua função era emitir sinais com bandeirinhas para indicar que o trem poderia continuar a sua viagem. No local do atual treiler de cachorro-quente ficava a fruteira de Botlender. O trem saía para Porto Alegre às 13h30min, chegando ao destino às 18h30min. Voltava partindo às 23h de Porto Alegre, chegando a Cachoeira às 3h30min. O engraxate da Ferroviária era o conhecidíssimo Marino.
2. O Guarani FC foi concentrar no hotel do mais tarde prefeito de Cerro Branco, Bodo Weber, antes de um clássico Gua-ca. O massagista Dodô foi escalado para cuidar os excessos dos jogadores e descobriu que Daner Mota, do Guarani, comia os doces da sobremesa dos jogadores. Para acabar com o folgado, Dodô roubou a chapa de Bandeja e colocou dentro da lata de pêssego. À noite, Daner voltou à cozinha e tomou um susto ao servir da chapa do colega. Não surrupiou mais os doces até o dia do jogo.
3. A Rádio Cachoeira completa aniversário em setembro. Nos seus primórdios, na década de 50, o rádio-teatro reunia os talentos Paulo Machado, Lauro Schirmer, Rafik Germanos, Schneider Silva, Ione Lacerda e Rubens Pinto. Havia também Ênio Francisco, que foi ainda o primeiro apresentador da Fonte das Águas Dançantes.
4. Renata Mór, atriz do seriado “Malhação”, da Rede Globo, é neta de Aderbal Mór, do Banco do Brasil, e sobrinha de João Carlos Mór e Marinha e Terezinha Dutra (ex-funcionária do JP). Ela também já trabalhou na Turma do Didi e no Bambuluá, da Angélica.
5. Licério Ilha foi goleiro do Grêmio em 1923 e 1924. Seu filho Sérgio foi jogador de basquete do Rio Branco. O neto, Dudu Ilha, trabalha no Banrisul.

panorama@jornaldopovo.com.br

Rememorando
O colunista, em 15 de junho de 1999, registrou o abandono das obras na RS 403 e duas semanas depois noticiamos que o diligente engenheiro florestal Eduardo Minssen obtivera informação do seu amigo e companheiro Beto Albuquerque de que a obra teria continuidade em 2000. Nessa época já alertávamos para a provável improbidade. Até quando vamos conviver com o desperdício do dinheiro dos contribuintes?

RST 403
1.
Os agricultores que plantam soja, arroz, milho e fumo, criam gado e escoam a sua produção pela RST 403, que liga Cachoeira a Rio Pardo, estão indignados. A cobertura asfáltica se transformou em lama e buracos. Dos 62 quilômetros da estrada, 56 chegaram a receber terraplanagem, drenagem e bueiros, mas a chuva e o tráfego deterioraram por falta de conservação, levando para o ralo mais de R$ 10 milhões. Isso é improbidade administrativa inqualificável que não pode ficar assim.
2. O Daer diz que a obra parou porque não havia previsão de recursos suficientes no orçamento e outros dizem que a obra foi abandonada porque não foi contemplada pelo Orçamento Participativo. Quem é o culpado pela paralisação da obra e pela perda dos recursos investidos que a chuva levou? Ora, a omissão do OP não imune os responsáveis pelo desperdício do dinheiro público. A obrigação de cuidar da coisa pública é dos que foram eleitos. Não podem fugir do ilícito pela porta larga dos orçamentos participativos.

A saúde pública
1.
A construção da gestão plena do Sistema Único de Saúde (SUS) na cidade foi uma obra de engenharia notavelmente bem montada. Os interesses do único hospital da cidade, dos médicos e do SUS eram contraditórios e aparentemente irreconciliáveis. Cada um puxando a brasa para o seu assado, jamais teríamos coisa alguma. O HCB tinha custos e precisava manter um resultado positivo para sobreviver. Os médicos e outros profissionais, com justiça, não poderiam trabalhar por preços de banana. É uma atividade de riscos e precisa de remuneração digna. O SUS, por óbvio, tinha recursos limitados. Quem conhece a área sabe que a empreitada era uma tarefa gigantesca.
2. Apesar desse quadro nada alentador, os muitos obstáculos foram superados um a um, com persistência, com habilidade, com desamor ao mercantilismo e, sobretudo, com abnegação e competência do secretário da Saúde da época (Dr. Francisco), do provedor do HCB (Dr. Nelson) e dos médicos de todas as especialidades, com raras exceções. Para se saber mais das dificuldades, leia-se o livro “Uma Cachoeira de saúde”, de Francisco Bastos e Maria Élida Machado.
3. Realizados os acertos e firmados os acordos, ainda em 1996, os serviços foram aprimorados e aumentados nos anos seguintes pelo HCB, pelos médicos e com a lucidez e empenho do Dr. Tesch, na Secretaria da Saúde. A atual secretária Magnólia também colaborou na conjugação desses esforços. A sociedade está sendo a grande beneficiada e esteve presente através do Conselho da Saúde. Agora, temos o direito sagrado de manter tudo o que foi feito. Essa obra de engenharia não pode ser destruída.
4. O HCB e os médicos cumprem a sua parte, pois há referências favoráveis. Algumas correções de rumo e de equívocos até podem e devem ser implementadas. Os gestores do SUS e o Conselho Municipal, de outra feita, precisam estar vigilantes para a boa aplicação dos recursos, pelo bom atendimento da população, pela remuneração digna dos prestadores de serviços, quer repassando os reajustes que vêm de cima, o que não tem sido feito, quer lutando pelo aumento das verbas federais e estaduais. Por último, a transparência é imprescindível e o desvio de recursos da saúde é inadmissível.

Instantâneas
A Janice Bacchin Schneider, depois de 25 anos na presidência da modelar creche Casa da Criança Sagrada Família, vai continuar comandando a mesma equipe de trabalho. Foi reeleita mais uma vez. Gestão antiga com idéias renovadas.
A creche da Sagrada Família continua modelo e exemplo de organização, mas vai precisar do apoio comunitário para modernizar o sistema de segurança.
O Conselho dos Direitos do Menor, com a eleição do Hamann, ficará em boas mãos. Pelo que dele se conhece, os relapsos vão ter que excluir de seus currículos o chamado “trabalho relevante” que gostam de ostentar, embora ausentes das reuniões.
Participei da abertura da XVI Feira do Livro do Roque Gonçalves, com as homenagens ao Dr. Florence e professora Eliane, que produzem cultura na cidade. São elogiáveis e eficientes os esforços da escola em favor da boa leitura.
Na apresentação artística, o brilho do conjunto musical Instrumental, com as excelentes vocalistas Viviane e Débora. É como disse uma professora: é preciso muito barulho (no bom sentido) para “comprometer o jovem com a leitura que transforma o ser”.
O socialista Milosovic, o carniceiro dos Bálcãs, está no banco dos réus. Todas as tentativas dos países de “igualar” as pessoas deram em genocídio.

armandoff@uol.com.br

O vereador Carlos Joel (PMDB) está buscando informações para montar um projeto de criação de uma indústria que faça a transformação de lixo em adubo. Mais um.

Só as sobras
O Conselho de Administração do Fundo de Aposentadoria e Pensão dos Servidores Municipais de Cachoeira do Sul (Coadfaps) vai encaminhar ao prefeito Pipa Germanos a solicitação de que seja revertido para os beneficiários do Faps as sobras de sacolões de alimentos que não são retirados pelos servidores em atividade. Segundo o presidente do Coadfaps, Paulo Souza, mensalmente sobram cerca de 50 sacolões que seriam para os servidores em cargos mais elevados, que normalmente não utilizam o benefício.

Numeradas
1 -
O Governo Olívio está garantindo um piso de R$ 300,00 para todos os servidores públicos estaduais. No início da atual administração, segundo divulga o Governo, a diferença entre o maior e o menor salário no Estado chegou a 140 vezes. Hoje, a diferença diminuiu para 128 vezes. No início de agosto, após o recesso parlamentar, o projeto que estabelece a remuneração mínima de R$ 300,00 para os servidores públicos - que trabalham 40 horas semanais, superando o mínimo previsto para a iniciativa privada (R$ 230,00) - irá para a Assembléia. Hoje, a menor remuneração no Estado, para 40 horas, é de R$ 179,77.
2 - Cerca de 90% dos servidores terão reajuste. Em 2000, Olívio Dutra já concedeu 14,9% para o magistério, servidores do quadro geral e equiparados, nível médio da Saúde e funcionários de escola e está oferecendo agora mais 25% de reajuste para estas categorias. Também acertou o pagamento dos 222% de risco de vida e das horas extras para os servidores da segurança pública e o pagamento das promoções de 1993, 1994 e 1995 dos servidores técnicos científicos até o final do ano.
3 - O Governo faz um cálculo otimista para o reajuste do magistério. Segundo o secretário da Fazenda, Arno Augustin, além do aumento de 25%, Olívio vai recuperar o plano de carreira do magistério - gerando aumento de 30% a 50% no salário básico dos professores, levando-se em conta o fim da sobreposição de níveis e a incorporação de 20% do abono. “Isto, sem considerar o pagamento das promoções de 1996 e 1997 que beneficiarão 37 mil professores somente neste Governo. Contabilizando o reajuste de 14,9%, dado em 2000, estas ações irão acumular no salário básico dos professores reajustes que variam de 49% a 72% até julho de 2003”, destacou.

A volta do velho PMDB
O PMDB do Rio Grande do Sul, a despeito dos mais céticos, está retomando algumas lutas de suas origens, mas esta não é a questão principal. Conteúdos programáticos são aceitos em qualquer papel. Mobilizar as bases, ativar a militância e oxigenar o partido são tarefas muito mais difíceis, pois envolvem pessoas. Aí está o mérito da presidenta do PMDB de Cachoeira, professora Carmem Figueiró, que levou uma numerosa delegação de peemedebistas cachoeirenses para o encontro regional do PMDB em Santa Maria, no último final de semana, com participação de mais de 40 municípios. Cerca de 50 cachoeirenses, entre históricos e integrantes do PMDB Mulher e Juventude do PMDB, participaram da representação de Cachoeira. Carmem Figueiró foi saudada pessoalmente pelo senador Pedro Simon, hoje a maior liderança peemedebista do estado.

Ministério da Previdência cobra Prefeitura
1.
A Previdência lançou sexta-feira um novo serviço de consulta à verificação da regularidade dos municípios brasileiros. O serviço está disponível no site da Previdência (www.previdenciasocial.gov.br). Para saber se o município está regular e, portanto, com direito ao Certificado de Regularidade Previdenciária, é só clicar no ícone “consulta aos certificados emitidos”. Apenas 26% dos municípios brasileiros que possuem regimes próprios de previdência estão em situação regular com o Ministério da Previdência. Os 74% restantes estão irregulares e correm o risco de perder repasses de recursos federais caso não acertem sua situação até 1º de novembro.
2. Pelo estudo, Cachoeira do Sul está irregular na prestação de assistência médica com recursos previdenciários, não possui convênio ou consórcio para pagamento de benefícios previdenciários e está em falta com o envio ao Ministério da Previdência e Assistência Social do seu demonstrativo previdenciário. O Ministério aguarda regularização pelo e-mail sps.cgfal@df.previdenciasocial.gov.br.

Perdão
O prefeito Pipa parece ter perdoado os advogados Lino Dal Molin e Leandro Schirmer pela iniciativa que tiveram em contestar o pagamento do asfalto. No início da polêmica o prefeito disse que os advogados estavam agindo de forma antiética e que iria se queixar para a OAB. Até agora nada foi encaminhado.

Mentira que vira verdade
Anos de casa indicam competência
Não necessariamente. Quem constrói a carreira numa única empresa pode ser visto como um profissional acomodado. Para os especialistas, seis anos é o limite para se manter num mesmo emprego.

Dom Pimenta
O PPB protagoniza um jogo de empurra-empurra para lá de cabreiro. O líder de bancada Luciano Lara sabe desde segunda-feira que tem de indicar um nome para compor na comissão especial que vai investigar o SUS. Um documento restringiu sua opção a dois nomes: Ede Nelson e Luís Fernando Godoi. Por um interesse partidário, e não pessoal, acabou iniciando um jogo de empurra-empurra. Segurou a nomeação, ganhando uma semana de adiamento do início dos trabalhos. Agora, ingressou com recurso para mudar o cálculo da composição da comissão. Vai ganhar mais uma semana. O que virá na próxima semana? O tradicional recesso branco de uma semana do Legislativo?

Semáforo
PARE
Algum ruído de comunicação houve no Núcleo de Cultura no episódio da ponte férrea da terraplanagem do Imec. Primeiro, a ponte não tinha valor histórico. Depois, com parte dela demolida, é sugerida a preservação, com placa de bronze e tudo.
ATENÇÃO
Ministério Público já pensa em ação civil pública para o asfalto. As coisas já não vão bem para os lados da Prefeitura no setor de saúde e agora o fogo pode pegar no recém-desmembrado da Secretaria de Obras setor de asfaltamento.
SIGA
Ganha corpo a primeira edição do Pesca-fest, já está em fase final de organização a III Oktoberfest da SUC e vem aí a Expofesta, substituta escolhida pela Fenarroz para a Expocentro. É o turismo de eventos de vento em popa. Falta só divulgar mais na região.

JP interativo
1. Autor de “A interpretação dos sonhos”, livro que mostra pela primeira vez o ser humano como um complexo:

a - ( ) Freud
b - ( ) Heine
c - ( ) Ford
2. Ano em que a TV passou a ser transmitida no Brasil:
a - ( ) 1950
b - ( ) 1953
c - ( ) 1949
3. Primeiro sucesso de Elvis Presley:
a - ( ) “Heartbreak Motel”
b - ( ) “Heartbreak Hotel”
c - ( ) “Heartbreak tutti frutti”
4. Quem lançou o Sputnik ao espaço em 1957:
a - ( ) Rússia
b - ( ) Comunidade dos Estados Independentes
c - ( ) União Soviética

1a/2a/3b/4c

painel@jornaldopovo.com.br


Painel Empresarial
Viviane Souza

Madre Teresa
A Funerária Madre Teresa acabou de construir mais uma capela velatória, situada em frente ao portão principal do Cemitério Municipal, na Rua Ivo Becker, 45. O espaço será destinado ao uso exclusivo da funerária e visa proporcionar mais conforto aos usuários. Integrada ao Programa Gaúcho de Qualidade, a empresa norteia sua filosofia no bom atendimento, com total assistência às famílias enlutadas. De acordo com o proprietário da Madre Teresa, Jorge Antônio Fronza, a obra incrementará a prestação dos serviços funerários, sem ocasionar qualquer alteração, sobretudo no que diz respeito a valores, que permanecerão acessíveis e sujeitos a parcelamento.

Conex@o
* O empresário cachoeirense Ronaldo Tonet (Acacolgás), vice-presidente da Federação Nacional dos Revendedores de Gás, está organizando a primeira edição do Fórum Brasileiro de Revenda de Gás Liquefeito de Petróleo, confirmado para o dia 21 de setembro, em Bento Gonçalves.
* Tonet, que preside o sindicato dos distribuidores de gás do estado, está envolvido ainda na promoção do 3º Encontro Estadual de Revendedores de GLP, que encerrará o encontro, dia 22, no Hotel Dall’ Onder.
* A Cacisc promove no próximo mês um curso de secretariado básico, com a instrutora Luciana Ramos. O conteúdo programático reúne temas como ética e estética profissional, organização do trabalho, comunicação, entre outros.
* O evento será realizado na entidade, nos dias 7, 8, 9, 14, 15, 16, 28 e 29 de agosto. Inscrições pelo fone 3722-4317.
* A CDL realiza na próxima quarta-feira a solenidade de inauguração da sala da diretoria e da galeria de fotos de seus ex-presidentes. O evento está marcado para as 18h30min, na sede da Saldanha Marinho, 1200.

Aperfeiçoamento
Uma jornada de cursos dirigidos ao meio empresarial está prevista para a próxima sexta-feira. Promovido pela empresa Alavanca Desenvolvimento de Pessoal e Vendas, com o apoio da CDL local, o trabalho será realizado em três etapas: pela manhã acontece o curso de crédito e cobrança e, à tarde, o tema é como gerenciar pessoas, ambos na sede da Cacisc, na Rua Saldanha Marinho, 1200. À noite será desenvolvido o curso de técnicas de vendas no Grêmio Náutico Tamandaré. Todos serão ministrados pelo diretor da empresa, Edson Santos. Mais informações na CDL, pelo fone 3722-2484.

viviane.souza@bol.com.br

Informática
Fábio de Oliveira

Moto inteligente
Já circulam pelas ruas de Tóquio algumas pequenas motocicletas equipadas com um computador portátil da Matsushita, o AirLC. O PC, um Pentium III com Windows 98, vem com um monitor colorido sensível ao toque. Este pode ser destacado e colocado debaixo do braço para uso através de uma conexão sem fio até 50 metros distante do PC, que continua na moto. O PC e o monitor são resistentes à vibração, ao choque e a uma queda de até 1,2 metro de altura. O equipamento começou a ser vendido no Japão no último dia 27 e custa em torno de 2,8 mil dólares.

Restauração vista na Web
A restauração da estátua de Moisés, de Michelangelo, uma das obras-primas do artista italiano, que se encontra na Basílica de São Pedro, em Roma, pode ser vista ao vivo através da internet. Quatro webcâmeras permitirão aos internautas acompanhar dia a dia (www.progettomose.it) os minuciosos trabalhos de restauração e recuperação da obra, viabilizada através do Projeto Moisés.

Bill Gates vai à escola
Ocasionalmente, o todo-poderoso Bill Gates, fundador da megacorporação Microsoft, foge da imagem de ambicioso e ganancioso e se mistura aos pobres mortais para demonstrar que é uma boa pessoa. No último dia 9, Gates participou de animados bate-papos no laboratório de computação da escola secundária Booker T. Washington, em Miami. Gates esteve na escola para anunciar a doação de mais de um milhão de dólares em programas, máquinas, serviços e tecnologia às escolas do sul da Flórida. O objetivo é criar novas oportunidades para os adolescentes e para a comunidade.

Quase real
Estreou na última semana, nos Estados Unidos, “Final fantasy: the spirits within”, longa-metragem de animação totalmente feito por computação gráfica. Entre as produções dessa categoria, o filme é considerado o mais realista já realizado. Os detalhes do filme impressionam. Rugas, fios de cabelo, implantados nos personagens um a um, explosões e movimentos corporais fazem o espectador, em alguns momentos, pensar que está vendo uma ação real.
Para produzir o filme, foi montado um estúdio em Honolulu, no Havaí, equipado com computadores da Silicon Graphics (www.sgi.com) e com o software Maya, da Alias/Wavefront (www.aliaswavefront.com). O projeto demorou quatro anos para ser realizado. Visitando o site www.finalfantasy.com, é possível conhecer algumas imagens dos personagens e cenários, assistir ao trailer e conhecer detalhes do processo de criação do filme, baseado na série de games homônima que fez sucesso em diversas plataformas e deverá estrear no Brasil no próximo dia 10.

Vírus detona computador sem se abrir arquivo anexo
Para aqueles que pensam que basta não abrir arquivos anexados aos e-mails para evitar de ter o micro infectado por um vírus, uma péssima notícia: a praga Happy Time chega por e-mail e se instala no hard disk e apaga todos os arquivos .exe e .dll mesmo sem ser aberto. Ele infecta programas, apaga arquivos e se reenvia automaticamente para outros internautas por meio do VBScript contido em HTML. O Happy Time cria um arquivo chamado help.htm, que instala-se na proteção de tela e é executado quando o computador é ligado.
Porém, para se livrar dessa praga, basta ativar o dispositivo de rastreamento de e-mails dos antivírus Norton 2001, McAfee 5.1 e o gratuito AVG. O vírus é um novo conceito, comparado ao terrível MTX (conhecido popularmente como Matrix), que atacou todo o mundo em setembro do ano passado por meio de arquivos anexados.

Moeda universal da internet
A empresa e-gold, que opera em uma ilha do Caribe, está propondo uma nova moeda universal para as transações feitas na internet. Assim como a empresa, a moeda se chamaria e-gold, abreviação em inglês para ouro eletrônico, e seria lastreada em reservas mundiais do metal. Segundo Douglas Jackson, presidente da companhia, a moeda seria ideal por não depender das economias nacionais. Jackson disse que sua empresa já realizou 3,2 milhões de transações, desde o início de suas operações em novembro de 1996, por meio de seu site
(www.e-gold.com), usando o ouro virtual como base monetária.

Favoritos

O técnico em informática Leonir Miguel Machado da Silva apóia parte de seu trabalho na pesquisa e atualização de informação através da internet. Ele é sócio-proprietário da Partner's, empresa que está no mercado cachoeirense há cerca de dois meses realizando trabalhos de assistência técnica e venda de equipamentos e suprimentos de informática.
Um importante auxílio na configuração de equipamentos pode ser encontrado na internet na página WinFiles.com (www.winfiles.com). Conforme Silva, no site encontram-se disponíveis diversos drivers que facilitam e dão maior segurança para o trabalho de deixar o micro funcionando redondinho.
Já no site oficial da Microsoft no Brasil (www.microsoft.com.br) é que Silva se mantém atualizado sobre os mais recentes lançamentos na área de hardware e software da empresa e até mesmo de alguns concorrentes. As informações, explicou, são atualizadas com muita agilidade e as novidades do mercado podem ser conferidas diariamente.
Outra página com muitas informações sobre os principais lançamentos do mercado de informática no país e no mundo é a da Creative (www.creative.com). Além de apresentar novos produtos, o site conta ainda com uma seção especial, totalmente dedicada ao suporte técnico, com informações sobre drivers e orientação sobre equipamentos que estão chegando ao mercado.

jpinfo@jornaldopovo.com.br





Via Fax
Fábio de Oliveira

Cerro Branco
PRÊMIOS - A Associação do Comércio e Indústria (ACI) de Cerro Branco fará quarta-feira o sorteio dos prêmios da campanha alusiva ao Dia do Colono e do Motorista. Todos os clientes que comprarem mercadorias nas lojas credenciadas no comércio cerro-branquense receberão, a cada R$ 20,00 gastos, cupons que darão direito a participar do sorteio de cinco prêmios. O primeiro prêmio é de R$ 500,00 em dinheiro e o segundo, um fogão a lenha. O sorteio será realizado às 16h30min, na Praça dos Imigrantes.

Novo Cabrais
BOCHA - O Campeonato Municipal de Bocha de Novo Cabrais teve prosseguimento no último sábado com a realização de três partidas. Em Potreirinho, a equipe do São Roque venceu o Clube Cruzeiro por 3 a 0. Em Linha Pfeiffer, Guido Schaurich bateu a equipe de Nilo Gomes por 2 a 1, enquanto no Cortado, a equipe de Celso Cerentini perdeu em casa para Marcos Lermen por 2 a 1. A competição prossegue neste domingo com os seguintes confrontos: Cláudio Cortês x São Roque, na sede de Cabrais, Clube Cruzeiro x Guido Schaurich, no Cortado, e Nilo Gomes x Celso Cerentini, em Linha Faxinal.
FESTA - A Comunidade Evangélica Luterana Concórdia, de Novo Cabrais, promove quarta-feira a sua tradicional festa em homenagem ao Dia do Colono e do Motorista. A programação iniciará às 9h30min com a celebração de um culto em ação de graças. Ao meio-dia está programado um almoço de confraternização e às 15h terá início uma reunião dançante.
CONCURSO - Continuam abertas até o próximo dia 27 as inscrições para o concurso público promovido pela Prefeitura Municipal de Novo Cabrais. O processo de seleção tem o objetivo de suprir vagas existentes no atual quadro de servidores municipais. Estão sendo oferecidas sete vagas em seis diferentes categorias funcionais, com remunerações que variam de R$ 362,10 a R$ 844,90. As inscrições poderão ser feitas na própria Prefeitura, durante o horário de expediente.



Osmar Beskow

Saques e assaltos
O título desta coluna hoje está vinculado às trágicas ocorrências de Salvador, capital da Bahia, e de outras cidades baianas, onde instalou-se o terror há algumas semanas, com danos ao patrimônio público e ao particular, assim como lesões corporais, assaltos e mortes de centenas de pessoas. O Exército teve de lá intervir, em cumprimento de sua missão constitucional de restabelecimento da ordem. Oportuno é lembrar que em nossa bandeira nacional consta a legenda “Ordem e progresso”.
Instalou-se lá a greve da Polícia Civil e da Polícia Militar daquele estado e os bandidos passaram a agir cometendo livremente toda a natureza de crimes, de modo a gerar a intranqüilidade generalizada na população. Aliás, o Jornal da Tarde, de São Paulo, um dos órgãos da imprensa escrita de maior tiragem e circulação no país, teve esta irônica manchete em uma de suas edições: “O que é que a Bahia tem? Saques, assaltos e o Exército nas ruas”. Mas, infelizmente, essa mesma intranqüilidade também existe em outras regiões deste nosso país, como igualmente em países circunvizinhos, notadamente na Argentina, como informa a imprensa internacional.
Na minha visão crítica, isso é um reflexo da globalização da pobreza, decorrente do neoliberalismo econômico atualmente dominante no mundo, sob a égide do FMI, este comandado por alguns países capitalistas ricos. Observe-se que a fórmula do FMI, adotada presentemente pelo Brasil e pela Argentina, determina a eliminação do déficit público mediante drástica redução das despesas com o pessoal do serviço público, tanto ativo como inativo (aposentados). Aliás, condição sine qua non imposta pelo FMI para que países em dificuldade financeira possam receber empréstimo desse órgão e de bancos internacionais por ele recomendados. Não importa que a miséria venha bater à porta do lar dos servidores públicos, desde que sobre dinheiro nas arcas do Tesouro Nacional para, posteriormente, amortizar a dívida contraída e respectivos encargos, advindos do empréstimo.
Eis por que o Brasil e a Argentina dispensaram tantos servidores públicos e o Governo atual do Brasil há mais de seis anos não concede majoração nos vencimentos dos seus servidores ativos e nos proventos dos servidores aposentados, apesar de, nesse período, ter determinado grande alta nos impostos, taxas e tarifas, além da inflação havida, embora o cânon constitucional prescrever a irredutibilidade, tanto dos vencimentos como dos proventos. Resultado: onda de greves, que dia-a-dia mais se propaga neste país, para infelicidade geral de seu povo!

osmarbeskow@jornaldopovo.com.br


Tribuna
Giuliano Fernandes

CPI da Saúde
1. A bancada do PPB se reúne hoje pela manhã para escolher entre Luís Fernando Godoi e Ede Nelson quem será o quinto nome da comissão especial que vai vasculhar os gastos do SUS. A CPI da saúde já tem participação garantida dos vereadores Ivo Garske (PDT), Uberani Barbosa (PSDB), Davi Trindade (PFL) e Edson Richa (PMDB). O quinto nome é do PPB, que terá que optar entre Ede ou Godoi, únicos do partido que se inscreveram para participar desta comissão. O resultado da reunião deverá ser anunciado durante a tarde.
2. O mais provável é que Ede Nelson, por ser governista fiel a Pipa Germanos, seja o indicado. O vereador Luciano Lara acionou o prefeito Pipa Germanos na tarde de ontem para explicar que não existe acordo entre os dois para indicar o quinto nome. A orientação do prefeito, logicamente seria por Ede Nelson, já que Godoi é oposição. Pipa jura que não dá pitacos nas decisões da Câmara, mas são freqüentes suas ligações para os vereadores, principalmente quando serão votados projetos polêmicos.

PFL
O pefelista Kiko Bonugli, líder do movimento de emancipação do Piquiri, está deixando seu partido. Bonugli ficou desgostoso com o posicionamento do vereador Marlon Santos de apoiar um ofício idealizado pelo pepebista Ede Nelson parabenizando os empresários do Piquiri por eles não concordarem com a emancipação. “Eu estava no PFL só pelo Marlon, mas se ele não apóia minhas reivindicações também não vou lhe apoiar”, concluiu Bonugli.

Projeto
O vereador Carlos Joel (PMDB) está lançando dois novos projetos de lei. Uma proposta cria o programa para pessoas jurídicas adotarem escolas públicas, visando ações de melhorias neste estabelecimentos. Uma segunda proposta cria cadastro de beneficiários dos programas municipais de habitação, com objetivo de evitar que pessoas já beneficiadas recebam novo benefício, prejudicando quem nunca foi atendido.

Obstáculos para Cachoeira
A nossa cidade é alegre, vibrante, gostosa de se morar. Possui um contingente considerável de pessoal ativo, preparado, preocupado com o seu desenvolvimento.
Há segmentos notáveis na educação, nas artes, na cultura, no comércio, na saúde, na indústria, na política.
As gerações vão se sucedendo, os ventos se alternando com as chuvas, as flores com as sementes, mas o Rio Jacuí não seca.
Há contudo pairando nos ares, enferrujando as cores que colorem a vida da nossa Cachoeira, grandes preocupações com seu futuro, sua atuação nos próximos tempos que hão de aparecer na virada da esquina. A economia, dama misteriosa e arrogante, gosta de se balançar em seus saltos altos, dando sempre a impressão de que vai despencar, desalinhando seu cabelo de um louro esfuziante, como os nossos arrozais em época de colheita.
Perguntamos: por que tudo isso?
Os fatores, as análises, as conclusões são muitas e é complicado querer se fazer anamnese correta de ocorrências tão diversificadas. As situações, os fatos mudam como muda hoje em dia a temperatura, a cara do ambiente que nos cerca.
Existem objetivos no planejamento da vida de Cachoeira? Certamente existem, porém os meios para atingi-los não estão claros, não estão definidos. O que se percebe de longe data, “long, long time”, é uma freqüente desunião entre os grupos e as pessoas envolvidas no processo de crescimento de Cachoeira.
Em todos os movimentos, em todas as instituições, sempre há grupos, divisões, rivalidades e opiniões pessoais.
Cachoeira tem potencial, tem gente capacitada para vencer a luta, porém deve se unir em torno dos objetivos oportunos, realmente comuns, os quais possam levar adiante o projeto de uma Cachoeira maior. Obstáculos existem, muitos é claro, mas também como vencê-los é questão de bom senso, fortaleza, desprendimento e união.
Vamos, Cachoeira, não desanima!el empresarial

verabeatriz@jornaldopovo.com.br

Fito-hormônios
Atualmente existem cerca de 500 plantas estudadas e catalogadas contendo fiesteróides, que são substâncias que podem ser usadas para tratamento de diversos problemas de saúde em substituição dos clássicos hormônios, que já são utilizados há muitos anos, ou também como auxiliar no tratamento e prevenção de várias doenças.
A soja é a planta mais estudada e os seus mais importantes princípios ativos são as isoflavonas, coumestanas e lignana, que quando estudados em humanos revelaram uma redução de fogachos em mulheres na menopausa, proteção óssea com aumento da densidade óssea, diminuição do colesterol e do HDL, que é o colesterol ruim, diminuição do risco do câncer de mama, do endométrio e próstata. Para se conseguir estes benefícios os preparados de soja deverão apresentar um mínimo de 1,5 % de isoflavona.
Sua principal indicação é em mulheres que apresentam intolerância ou efeitos colaterais aos tratamentos de reposição com hormônios, que impossibilitam a continuidade do tratamento, ou em mulheres de alto risco para câncer de mama e de útero (endométrio).
A planta mais estudada para o tratamento dos sintomas da menopausa é a Cimicífuga racemosa, sendo aprovada para este uso pelo Ministério da Saúde da Alemanha. Tem como principais ações: diminuição intensa dos fogachos, diminuição da ansiedade e da depressão, melhora da dor de cabeça, dos distúrbios do sono e vertigens e também melhora acentuada do ressecamento vaginal. No entanto, até o presente não se sabe dos benefícios relacionados à saúde óssea e do metabolismo das gorduras.

falandoemsaude@jornaldopovo.com.br

Novo M3 chega ao Brasil
O novo BMW M3 está chegando às revendas do país completamente remodelado, com um novo design e um motor mais potente. O desenho foi desenvolvido a partir da Série 3 Coupé, com um acréscimo de 20 milímetros na largura e um visual mais esportivo. A tampa do motor, construída em alumínio, comporta o motor de seis cilindros em linha e 3.2 litros.
Segundo a montadora, o modelo acelera de zero a 100km/h em 5,2 segundos e a sua velocidade máxima, limitada eletronicamente, é de 250km/h. O modelo vem com câmbio manual de seis marchas e diferencial autoblocante variável M, que adequa a tração às condições de dirigibilidade. O preço do esportivo, entretanto, chega a absurdos R$ 208 mil.

Volkswagen Van com novo visual
Já está chegando às concessionárias Volkswagen do país a nova versão da Van, que recebeu praticamente as mesmas modificações estéticas externas do Polo Classic. A Volkswagen Van ganhou novo acabamento interno e uma calota maior, de grande apelo visual. Os faróis dianteiros com lentes de policarbonato e luzes de direção integradas são os maiores destaques entre as mudanças. Nas laterais foram inseridos novos frisos de proteção e luzes indicadoras de direção brancas.
Equipada com um motor 1.6 de 90 cavalos, a Van, conforme a Volks, é muito ágil e econômica, acelerando de zero a 100km/h em 13s1 e atingindo uma velocidade máxima de 160km/h. O consumo na cidade, também de acordo com a montadora, é de 10,5km/l e, na estrada, de 15,6km/l. A capacidade de carga deste pequeno furgão é de 625 quilos, o que o torna ideal para pequenos comerciantes, construtores, proprietários de floriculturas, tintureiros, vendedores de alimentos e prestadores de serviços em geral. A Volkswagen Van tem um preço inicial de R$ 23 mil.

Tecnologia Seat, segurança e conforto

A Seat, marca espanhola do grupo Volkswagen, desenvolve atualmente na Espanha uma nova tecnologia que tornará a condução de automóveis mais confortável e segura. Trata-se do sistema avançado de controle de velocidade que mantém o carro a uma distância segura do veículo que segue à frente, além de reconhecer sinais de trânsito e ajustar a velocidade ao limite determinado para cada rua, avenida ou estrada. O sistema está sendo testado num protótipo do topo de linha Seat Toledo.

Hyundai lança utilitário Santa Fé a diesel
A versão a diesel do utilitário-esportivo Hyundai Santa Fé acaba de ser lançada na Europa. Além do motor 2.0 turbodiesel, o carro é equipado com sistema de freios antitravamento (ABS), ar-condicionado, CD-player, vidros elétricos e roda de liga-leve, como itens de série. O carro também pode ser encontrado em duas versões a gasolina, com motor 2.4 ou 2.7 V6, que começará a ser vendida no Brasil no início do mês que vem.

Scénic ganha perfil esportivo e motor 2.0
Primeiro monovolume no mercado brasileiro, ao qual chegou em 1999, o Scénic, em seu novo design, ganhou aspecto mais arrojado e esportivo, somando pontos a favor. A nova motorização, 2.0 de 16 válvulas e 140 cavalos, tornou o veículo mais potente e também mais atraente para o público masculino, superado pelas mulheres nos primeiros momentos de comercialização no país.
Na nova versão, o carro da Renault também se apresenta com boa diversificação de cores, adotando tons como cinza escuro, azul e bege. Nas versões RT, de motor 1.6 e 16 válvulas, e RXE, de 1.6 e 2.0, também de 16 válvulas, o veículo possui ar-condicionado, direção hidráulica, conjunto elétrico, air-bag duplo e sistema ABS de freios.

Um super Golf GTI
Acaba de ser lançada na Europa a versão 2002 do Volkswagen Golf GTI, com várias mudanças que tornaram o modelo ainda mais esportivo. Com um motor de quatro cilindros de 1.8 litro, igual ao modelo fabricado no Brasil, mas com a potência elevada para 180 cavalos, igual ao do Audi A3 de igual potência. A versão 2002 está sendo considerada uma das mais formidáveis produzidas até hoje. Nela foram acrescentados vários itens como uma transmissão de seis velocidades.
No interior, os bancos Recaro revestidos em preto e vermelho dão um ar mais esportivo ao modelo. A alavanca de câmbio recebeu a tradicional bola de golfe com a inscrição GTI em vermelho. O painel é revestido de alumínio. Na parte externa, o GTI agora conta com um spoiler dianteiro que deixou a frente mais baixa e novas saias laterais completam o conjunto, que é todo pintado na mesma cor do veículo. As enormes rodas BBS modelo RC são aro 18 e receberam nas tampas centrais o logotipo da Volkswagen. Outro detalhe, que vai deixar os entusiastas apaixonados, são as pinças dos freios pintadas de vermelho.

Conversando com o povo de Deus (41)
Terminada a 39ª Assembléia Geral Ordinária da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, o povo cristão desta imensa nação brasileira voltou agora seu olhar para o 14º Congresso Eucarístico Nacional, iniciado dia 19 e que se prolonga até este domingo. Congresso Eucarístico é um grande encontro de pessoas que professam a fé cristã e estão dispostas a dar testemunho desta mesma fé a partir da eucaristia, sacramento da presença real do Senhor Jesus, ceia de comunhão plena, banquete de vida fraterna. É uma grande festa de irmãos e irmãs professantes da fé em Jesus Cristo, abertos e dispostos à construção de um mundo fraterno, justo e pleno de paz.
O 14º Congresso Eucarístico Nacional está acontecendo em Campinas-SP, com o tema “Eucaristia: fonte da missão e vida solidária”. Seu tema aponta para o grande desafio da Igreja no Brasil: por um lado, ser presença missionária e evangelizadora em uma sociedade marcada pelo descrédito do comunitário e perda dos valores que dão sentido à vida; por outro lado, ser presença profética ante o descaso para com a vida humana e com a vida da natureza, ambas abordadas sob a ótica do lucro, em detrimento da dignidade da pessoa humana, imagem de Deus, e da natureza, a casa comum e lugar da ceia de Deus com a humanidade e com todos os seres da mãe Terra. Seu lema quer traduzir o sentido profundo da eucaristia como oferta de vida para todos os seres humanos sem exceção: “Venham para a ceia do Senhor”.
Enquanto o mundo empurra os seus filhos para a morte, através de um sistema que exclui, causando a destruição prematura de milhões de seres humanos, especialmente os mais pobres, a eucaristia é a ceia do Senhor que congrega os filhos e filhas num grande banquete, imagem do banquete celestial, do qual todos nós queremos participar um dia na casa do Pai.
A idéia da realização de um congresso eucarístico surgiu na França, em Sião, em 1873. O 1º Congresso Eucarístico, no entanto, só foi realizado em 1881, em Lille. A iniciativa partiu de uma cristã leiga e foi assumida pelo arcebispo local. Contou com o apoio de dioceses de seis países europeus, inclusive com a bênção do papa Leão XVIII
Em 1989, por ocasião do 44º Congresso Eucarístico Internacional, realizado em Seul, na Coréia, o papa João Paulo II nos deu uma oportuna e importante definição do que ele significa. “É um grande evento que deve envolver cada Igreja particular, cada paróquia, cada comunidade religiosa e cada movimento eclesial. Todos devem sentir-se chamados a tomar parte no congresso mediante uma catequese mais intensa sobre a eucaristia, uma participação mais consciente e ativa na liturgia eucarística e um sentido de adoração capaz de interiorizar a celebração do Mistério Pascal, com uma oração que transforma a vida toda numa oferta pela vida do mundo, segundo o exemplo de Cristo”.
Sintetizando, a eucaristia é o memorial da vida, paixão, morte e ressurreição de Jesus Cristo, atualizado hoje na história pelo Espírito do Ressuscitado, que nos convoca a continuar a missão de Jesus de Nazaré, que é evangelizar: “Devo anunciar a boa notícia do reino de Deus também para as outras nações, porque é para isto que eu fui enviado”. (Lc.: 4,43)

diocesejp@jornaldopovo.com.br

Palavra ao leitor
Luis Antônio Dias, o Tonho. Aquele da escola de natação. Isso mesmo, o Tonho da Clarisse! O Tonho Dias, professor de Educação Física e poeta nas raras horas vagas. Mas, nessas horas de poesia, Tonho deixa a alma passear por um universo especial, onde as pessoas têm ideais, onde alguém se preocupa com seu próximo, onde os sonhos são possíveis e onde existe a presença do menino que mora dentro dele.
Pois é deste Tonho, tão querido pela comunidade, o JP Literário especial deste mês.
Um abraço

Neila Santos


Fim de rua

Conheço pedras, pássaros e pessoas por onde passo.
É um caminhar diário, às vezes rápido, mas no compasso.
Somos todos sonolentos, nos cruzamos rápido, sem cansaço.
É manhãzinha, há cheiro de café, crianças e abraço.
Desaparecemos nas esquinas, cada qual a seus trabalhos.
Não nos vemos ao meio-dia, pois alguns têm seus atalhos.
Antes do final da rua, fim de um dia, estamos aos frangalhos.
Alguns de cabeça erguida, outros, com ela em retalhos.
Lá no fim da rua, a sanga, o casebre... a periferia.
A miséria do passante, a luta inglória do dia-a-dia.
Mas, teimosamente, amanhã retomaremos nossa romaria.
À procura da vida, da sobrevivência na rua, nossa garantia.

Rimas do presente
Antes que a terra aqueça o suficiente,
Que os pássaros arribem prematuramente,
Os frutos amadureçam precocemente,
Que as chuvas caiam incessantemente,
Antes de tudo isto, pacientemente,
Que o homem passe a pensar somente,
Em cuidar mais do presente,
Sem esquecer, finalmente,
Que todo o humano é gente,
E para o futuro é a semente,
Pois só se mastiga tendo dente,
Pra esta fome que é premente,
Mesmo que Deus seja onipotente!

Dúvidas na praça
Soam sonoras e límpidas as flautas andinas,
São lamentos oriundos de cidades em ruínas.
Como podem encantar ouvidos cheios de concreto?
Será que temos ainda sentimentos ou falta de afeto?

Historinha
Mãe, ô manheeeeee, conta de novo?
Contar o que menino? Aquela historinha dos duendes,
ela é tão bonita.. Vá dormir, menino, já é tarde, outro dia eu conto.
Mas mãe.. Outro dia, já disse!
Ah! Que pena mãe, logo hoje que eu havia sonhado com uma floresta
e só faltavam os duendes, mas só tu sabes contar como eles são.
Está bem, menino, deite aqui no meu colo.
Era uma vez....

Claridade
Por entre as grandes janelas de minha existência
Há vagos espaços para o sol, pois a luz é intensa
Não existe luta entre as partes em evidência
Pois o sol que ilumina é a mesma luz em sua essência
Fico bobo e alegre a cada manhã que se faz clara
Por entre as telhas sinto o calor que nunca pára
Deixo pois esta energia que me acalma
Me levar ao alto, sem afligir minha alma

Apenas assim
Deixe que eu seja profano sem o ser,
que seja obscuro, porém, com uma frágil luz reveladora,
sob teus cuidados imperceptíveis e sem máculas.
Talvez seja bom que eu perambule entre as estrelas e bares,
lugares, rodas e similares.
Deixe apenas que eu continue sendo, tão somente comigo,
multifacetado ou ladrilhado de sonhos, pois assim me gosto,
talvez por isto te ame tanto.

jp@jornaldopovo.com.br

Arquiteto é líder nacional
O cachoeirense André Fernando Müller assumiu o cargo de diretor financeiro da Federação Nacional de Arquitetos, órgão responsável pela legislação, fiscalização e regulamentação da profissão no Brasil. Müller acumulará a função com o cargo de presidente do Sindicato dos Arquitetos do Estado do Rio Grande do Sul, liderança que desempenha desde 1998. O principal desafio de Müller no estado é criar uma filosofia de defender principalmente as questões ligadas aos arquitetos assalariados (empregados). Segundo Müller, no Rio Grande do Sul existem quase 8.000 arquitetos e, destes, menos de 30% são profissionais liberais. A grande luta do cachoeirense é resgatar a credibilidade do sindicato junto aos autônomos criando mecanismos que amparem os profissionais liberais através de cursos de capacitação e atualização.

 

Coluna do Contabilista
Roberto R. Drews

VIII Convenção de Contabilidade do Rio Grande do Sul
De 22 a 24 de agosto, o CRCRS, com o apoio da FBC e das entidades da classe contábil gaúcha, estará promovendo a VIII Convenção de Contabilidade do Rio Grande do Sul, na cidade de Gramado, no centro de eventos da Expogramado.
Temário
O lema "Profissão contábil hoje" será desenvolvido durante a convenção, sob forma de palestras, painéis e apresentação de trabalhos, tendo como base o seguinte temário:
1 - Ética e exercício profissional; 2 - Comunicação e mercado; 3 - A tecnologia da informação a serviço do usuário da contabilidade; 4 - Responsabilidade social do profissional contábil; 5 - A contabilidade a serviço das finanças públicas; 6 - A participação feminina na classe contábil; 7 - Contabilidade gerencial; 8 - Tema livre.
Posso garantir aos colegas que esta convenção de contabilidade será um sucesso, pois já estão inscritos mais de 900 convencionais. Pediria aos colegas que procurem se antecipar com suas inscrições.

CNPJ exclusivamente por via internet
Como é do conhecimento dos colegas, a partir do dia 2 de julho, os pedidos de inscrição de matriz ou filial, alteração de dados cadastrais, inclusão ou exclusão do Simples e solicitação da segunda via do cartão CNPJ deverão ser efetuados exclusivamente por meio da internet. Procedimento este que, em primeira vista, acha-se um retrocesso da Receita Federal, porém desburocratiza. Devemos fazer todo o procedimento na internet e aguardar o número do recibo, após remeter toda a documentação autenticada para Receita Federal via sedex e aguardar o CNPJ na internet.

Formatura
No último dia 5 estive representando o Conselho Regional de Contabilidade na solenidade de formatura no Instituto Estadual de Educação Professor Annes Dias, na cidade de Cruz Alta, quando 14 novos técnicos em contabilidade receberam seus diplomas. Nessa ocasião foi agraciado o aluno Georgio Luis Boeira da Silva com o diploma de aluno destaque. Distinção está recebida porque obteve a melhor média da turma de formandos e o primeiro lugar no curso em referência.


Quadro Geral

Peladão
Foi realizado na última segunda-feira um torneio de futsal na Praça José Bonifácio Gomes, integrando o projeto Peladão do Guidugli, idealizado pelo desportista Marco Antônio Guidugli. O torneio reuniu equipes dos bairros Promorar, Quinta da Boa Vista, Oliveira, Carvalho, Santo Antônio, Marina, Tupinambá, Fátima, Tibiriçá e Cristo Rei. Jogaram também atletas do Beco dos Trilhos e do Beco do Carvão. O campeão do torneio foi o Chapa Véia. O vice foi o Fumaça. Em terceiro lugar ficou o Sport. Foram entregues 30 medalhas aos destaques do torneio, que reuniu um bom público na praça.

jpesporte@jornaldopovo.com.br



Página do passado

Manchete do JP em 27 de julho de 1976
Cidade pode perder sinal da TV Piratini - canal 5

O responsável pela TV Piratini na região, Rubem Prass, está alertando que as válvulas da retransmissora local, que atende também Agudo, Dona Francisca, Faxinal do Soturno, Restinga Seca e Santa Maria, estão esgotadas, o que deverá provocar a diminuição da potência do sinal. A direção da Rádio Farroupilha, do Diário de Notícias e da TV Piratini, recentemente nomeada, não fornece válvulas.
Prass apela para que os prefeitos da região e telespectadores sensibilizados tratem de comprar as válvulas, que custam 3.880 cruzeiros na Importadora Iman, em Porto Alegre. “É a única maneira de receber em perfeitas condições a imagem da TV Piratini”.

Aconteceu há 25 anos
Qual o nome da nova praça?
Cachoeira do Sul está se mobilizando para definir o nome da nova praça que está sendo construída no local da antiga ferroviária. Duas opções são as favoritas: Praça das Nações ou João Neves da Fontoura.

JP esportes
Cachoeira FC vende Edegar ao Caxias
O Cachoeira FC concretizou a venda do lateral Edegar para o Caxias. O rubro está contratando os atletas Félix, Juarez, Sidnei e Claudinho. O presidente Claudinho Schlottfeldt também comprou um novo conjunto de abrigos para as viagens dos jogadores.

PARTICIPAÇÃO SOCIAL
Tárcia, juntamente com seus pais Geanoni e Mara, participa o nascimento do maninho Carson Cheiram.

SERVIÇO
A União de Moços Católicos está alertando para as inscrições ao Movimento Emaús.

TRADICIONALISMO & REGIONALISMO
“Padre Mendoza foi quem introduziu o gado no Rio Grande do Sul, em 1634, ao notar a escassez de alimentação do índio. Adquiriu em Corrientes mil reses”.
Índio Velho

Figueiras conta a quente
“Na época em que foi inaugurada, nossa central telefônica era uma das mais modernas do estado. Agora está superada”
Saul Torres
COMO FICOU - O problema das linhas telefônicas em Cachoeira, cujo tempo para aguardar linha passava dos cinco minutos nos horários de pique, só foi resolvido em 1989, quando a central foi substituída pelo governador Pedro Simon.

Nenê Müller em sociedade
* A professora Ely Marciniak era muito cumprimentada em nossa cidade, quando em brilhante dissertação sobre a “Intertextualidade em morte e vida Severina” obteve o grau de mestrado em Teoria Literária, no curso de pós-graduação em Lingüística e Letra na Pontifícia Universidade Católica (PUC). Da banca examinadora fazia parte o professor irmão Elvo Clemente.
* Cantor Benito de Paula, que tanto sucesso fez nas apresentações da IX Fenarroz, voltava para Cachoeira. A visita devia-se a fatos do coração, já que ele estava apaixonado por jovem cachoeirense.
* Era programado para o mês de julho, jantar em benefício do Instituto Santa Luzia de Porto Alegre. Como um dos órgãos apoiadores desta importante instituição estava o Poder Judiciário. Em nossa cidade a liderança desta atividade estava sendo organizada por Saskia Silveira, esposa do João Silveira, juiz de Direito e diretor do Fórum local.
* Era registrada a visita à nossa cidade do desembargador Cristiano Graeff, que por muitos anos residiu em Cachoeira do Sul.
* Wilson Cantarelli instalava escritório de decoração, assessorado por excelente equipe composta por Flávio Friedrich, Antonio Maciel e Antonio Cezar Machado Madeira. Wilson Cantarelli era o responsável pela coluna “Decoração de interiores”, publicada no JP aos domingos.
* Cezar Augusto Gazzaneo, ativo funcionário do BB local, era transferido para Porto Alegre, onde exerceria cargo na gerência de operação do sul. Ao mesmo tempo que Gazzaneo era muito cumprimentado pela promoção, sua saída da cidade era lamentada, em função de suas múltiplas atividades comunitárias, principalmente em relação ao esporte.

Cachoeira em 1976
A semana entre 21 e 27 de julho
1.
Josane Freitas é a rainha da Sociedade Rio Branco.
2. Cidade saúda a abertura da Avenida Presidente Vargas, ligando os bairros Rio Branco e Santo Antônio.
3. Ainda sem solução o assassinato do motorista de táxi Paulo Roberto Peixoto Sena, morto aos 18 anos em Cachoeira.
4. Roni Fortes Silveira será destaque na TV Imembuí, falando das charges que publica no Jornal do Povo.
5. Diversas jóias de elevado valor foram roubadas da residência de Raul Werlang.

Astral apresenta
O homem de cabeça de ouro
Com Rubens de Falco

COLISEU apresenta
Django
Com Franco Nero


Artigo
Vinícius Rieth de Moraes - Membro do Conselho de Pesquisa e Extensão da UFRGS

Cachoeira: há luz no fim do túnel
Em visita a minha cidade natal, surpreendi-me com o nível de frustração do cachoeirense com sua terra. Do taxista ao comerciante, do jovem ao idoso, obtive sempre a mesma resposta quando questionei-os sobre como estava nosso município: de uma ponta a outra do tecido social cachoeirense não obtive uma resposta positiva quanto aos rumos que a cidade vem desenhando. Pior, não vislumbrei nenhum resquício de reação ou alternativa concreta ao quadro desolador que a cidade apresenta a seus cidadãos. Porém, consegui perceber nas respostas o amor à sua terra, uma esperança desorientada de que as coisas irão melhorar, mesmo sem saberem quando e de que forma.
Enquanto permanece a perplexidade e o sonho, mais e mais jovens (como eu) refugiam-se do município em busca do que ele não nos oferece: perspectiva de ascensão material e emancipação intelectual. Em cima destas mesmas perplexidades e sonhos, os homens ordinários do município apenas imaginam que as coisas são, em geral, como têm que ser, não se responsabilizando pela bisonha trajetória que constroem para o município. Travam uma luta em torno dos interesses mais rasteiros, relegando a necessidade de construção de alternativas de crescimento a superstições transviadas. Adotam falsas ilusões como caminhos únicos para superarmos nossas dificuldades. Assim alimentam o sonho de que somente uma grande indústria traria Cachoeira de volta a tempos de prosperidade. Porém, sabem que carece o município de ambiente (quer cultura industrial, quer fatores objetivos como pessoal capacitado e tecnologia desenvolvida) favorável à instalação destas. Quanto a isso, suspeitamente nada fazem. Constroem um fetiche como discurso, vendem à comunidade um caminho irreal de desenvolvimento, engavetam alternativas factíveis enquanto seguem no velho lusco-fusco que seus “assuntos ordinários” produzem.
O que resta então é esse sonho amorfo, a crença que a cidade volte a ser esteio para que seus filhos desenvolvam suas potencialidades. Precisamos dar corpo e voz a esse sentimento. Resignar-se na crítica sem apontar caminhos para fazer Cachoeira voltar a ser “uma cidade para toda vida” não é conduta a quem deseja reerguer o município.
O engajamento em torno da cidade precisa, primeiramente, reavaliar a postura de suas instituições políticas e sociais e reelaborar seu perfil econômico, sem, entretanto, desvirtuar-lhe sua vocação. Logicamente que a curto prazo a situação não mudará na dimensão desejada. Porém é preciso semear um caminho. Encarar as instituições políticas, da associação de bairro ao Legislativo Municipal, como organismos capazes de buscar alternativas, tendo o Executivo como instrumento coordenativo e formulador de ações, buscando agregar todas as forças políticas e sociais existentes. Primeiro, deve-se radiografar o município e seu cidadão. Conhecer suas carências e potencialidades. Pode-se realizar essa atividade, de maneira própria, através de consultas populares, ou paralelamente às atividades do OP e Fórum Democrático. Com base nestes dados, o Executivo, ao lado das demais instituições, coordenará um projeto que servirá como guia para as ações que visem o desenvolvimento, rompendo com o consenso existente nacionalmente em torno das administrações públicas locais de que o mero controle das contas públicas é o único caminho possível a ser realizado pelos executivos municipais. Conseguir manter as contas em dia é exercício básico, mesmo que árduo, de qualquer gestor público. O real desafio das administrações é buscar consagrar o município dentre os que avançam econômica e politicamente. Assim, respeitando a vocação econômica do município, que é essencialmente agrícola, deve o Executivo intervir nesse setor. Não é pela característica fundamentalmente agrícola e pastoril que Cachoeira derrocou economicamente. Foi pela incapacidade de agregar valor aos bens produzidos e dinamizar a sua variedade que definhou. Então o esforço das instituições políticas deve se pautar nesse sentido: como agregar valor ao produto primário e dinamizar sua variedade no município? Há possibilidades, porém gostaria de fixar-me numa, que é momentânea e merece nossa atenção.
Uma ótima oportunidade para o município dar o primeiro passo nesse sentido (agregar valor e dinamizar a variedade de produtos agrícolas produzidos) seria a luta para ser sede de uma das unidades da recém-criada universidade estadual. De caráter multicampi, disposta a absorver a demanda por ensino superior gratuito e, ao mesmo tempo, servir como instrumento que viabilize o desenvolvimento dos municípios e regiões em atraso, a Uergs pode ser uma real alternativa para começarmos a dar ao cachoeirense algo de concreto. Lê-se nos jornais que o Governo Estadual pretende voltar a atuação da futura universidade para programas de produção de tecnologia agrícola, o que possibilitaria a Cachoeira criar o ambiente para que o mercado agrícola se dinamizasse, pois haveria as condições para isso (produção científica e tecnológica, pessoal capacitado, inovação de produtos, estudos de industrialização local, etc). Seria o primeiro passo no sentido de concretizarmos o sonho amorfo da população: disponibilizar ensino técnico e superior gratuitos (o que de imediato conteria boa parte do êxodo de jovens cachoeirenses) e produção científica visando integrar o município à economia moderna, gerando-lhe renda.
Escrevo para que Cachoeira não deixe passar essa oportunidade. Deve ela coordenar todos os seus esforços para conquistar uma unidade da Uergs, produzindo um plano sério a ser apresentado ao Estado, que pretende definir as primeiras unidades ainda este ano. Para isso o Governo Municipal deve capitanear esses esforços, superando disputas locais, buscando envolvimento de todos os setores políticos e sociais, inclusive envolvendo a oposição, principalmente o Partido dos Trabalhadores, que dispõe de bom trânsito no Governo Estadual. Assim poderemos dar a Cachoeira e ao seu povo o que lhe falta: oportunidade.




Hora do Amargo
Começa neste sábado, na Rádio Cachoeira, o programa Na Hora do Amargo. Todos os sábados, das 18h30min às 20h, Daniel Leite e Cleiton Santos trazem as principais informações sobre o circuito de festivais nativistas, tradicionalismo e, principalmente, cultura gaúcha. O programa seguirá o perfil dos trabalhos que já realizavam na extinta Rádio 1.520 Nativa. Além da melhor música gaúcha, haverá espaço para a poesia crioula e a música folclórica sul-americana.

Mala e cuia
Esta semana estou de pé no estribo. Por voltas que a vida dá, começo nova etapa profissional em outra cidade gaúcha. Nesta casa aprendi quase tudo o que sei. O Jornal do Povo é uma das mais qualificadas escolas de jornalismo, de conduta ética e profissional. É também um lugar onde se formam sólidas amizades e se desenvolve um apurado senso de trabalho em equipe. Só deixo amigos. Que seja um hasta la vista, pois quem bebe da água do velho Jacuí...

Prendas
No próximo dia 28, a ATC realiza o concurso de prendas farroupilhas no CTG Lanceiros do Sul. As prendas interessadas podem procurar as fichas de inscrição, regulamento e bibliografias com os patrões das entidades tradicionalistas. A prova escrita de cultura gaúcha e conhecimentos gerais será realizada às 9h e as provas artísticas e culturais, na parte da tarde. O resultado será proclamado à noite.

Sesmaria
O declamador cachoeirense Patrocínio Vaz Ávila, parceiro de tantos mates, estará em Osório em 15 de setembro para defender a poesia “Eterna sabedoria”, de Glênio Fagundes, na sexta quadra da Sesmaria da Poesia Crioula. O próprio Glênio, figura já legendária da cultura gaúcha, amadrinhará Patrocínio ao violão. Dá para rapar as fichas, sem demérito aos outros trabalhos. O show de intervalo do festival é de Luís Marenco.

Ginásio
A Semana Farroupilha deste ano não terá fandangos no ginásio da Fenarroz. O Parque Ivan Tavares, no entanto, deverá ser utilizado pelo CTG José Bonifácio Gomes em sua ronda e na reculuta campeira. Nos próximos dias começam as tratativas entre os tradicionalistas e o Sindicato Rural.

JORNAL DO POVO LTDA.
Rua 7 de Setembro, 1015 - Fone (51) 3722-1919
Fax (51) 3722-7501 - CEP 96.508-011

Cachoeira do Sul - Rio Grande do Sul - Brasil
Email: jp@jornaldopovo.com.br

vvvbgg